domingo, 15 de julho de 2007

De vaias e aplausos

Assim como os blogs da esquerda e a versão oficial das mancadas e vaias no Maracanã, o Pobre Pampa também demorou a chegar a uma conclusão do que pode ter acontecido por lá:


1. Durante o ensaio, ocorreram as mesmas vaias que durante a cerimônia oficial. A esquerda fala em armação. Essa é difícil de engolir, pois não devem ter sido as mesmas pessoas que estiveram no ensaio e na cerimônia. Ou eram? E a assessoria do presidente falhou feio, pois deveriam ter avisado que havia algum risco de vaias.

2. As vaias iniciaram quando o nome dele foi citado e quando a imagem aparecia no telão. Então, foi espontânea. O Pobre Pampa não tem nem idéia de como foi feita a seleção de quem poderia estar lá na cerimônia. Mas ouviu dizer que era classe média branca...

3. As desculpas oficiais demoraram demais e ficou a impressão que o presidente realmente disse que não iria falar, mas arrependeu-se imediatamente após, tendo ficado com aquele ar de perdidão.

4. Mas o principal, segundo a avaliação do Pobre Pampa, é que a delegação cubana foi recebida de pé e a americana vaiada. Quem estava no Maracanã, afinal? A classe média branca? Estas elites surpreendem sempre. A propósito, houve a primeira deserção na delegação cubana. Um jovem atleta resolveu não voltar para sua maravilhosa ilha.

Imagem: Lula, clicado por Ricardo Moraes, AP, Banco de Dados/ZH - 13/07/2007. Essa foto ficou genial!!!

8 comentários:

CINEMAN disse...

Pobre Pampa, na minha postagem eu transferi as razões da vaia para o espirito do carioca. E quem quer separar o carioca branco do carioca preto não conhece o Rio. Os nossos políticos atuais seriam muito mais respeitosos com a ética e com a honradez se a capital do Brasil fosse o Rio de Janeiro e não Brasilia. Um Renan Calheiros não poderia sair na rua, morasse ele em Copacabana ou na Vila Isabel. Então acho que está ai a razão da vaia. O Lula não seria vaiado nas Alagoas, no Ceará.. mas tenho minhas dúvidas quanto ao Rio Grande do Sul. Não aconselharia que ele viesse assistir um Gre-Nal, afinal, nós conhecemos o PT há muito tempo.

Pobre Pampa disse...

Tens razão, Cineman! O Carioca é um ser diferente do restante do País, talvez pelo clima, pelas praias, pelo estilo, pela história. O que vemos atualmente no Rio, é uma sucessão de enganos que levaram a cidade ao caos, mas não à destruição do estilo do povo, por completo.
De qualquer maneira, o aplauso exagerado à Cuba e as vaias aos Estados Unidos não ficaram bem claro para mim. Afina, nenhuma outra foi aplaudida de pé, nem uma outra foi vaiada.

CINEMAN disse...

O véu do mistério começa a ser levantado. Ao ver o chefe em profunda depressão os assessores foram a luta e descobriram que pelo menos 40.000 ingressos (a estimativa da vaia) foram distribuidos pela Internet. Segundo os assessores, a estratégia dazelite que organizaram o Pan foi bastante simples - Quem está na internet é bem informado e, salvo algumas falcatruazinhas, não tem bolsa familia.

Carlos Maia disse...

Carlos, "certa" esquerda adora alimentar esse tipo de historinha. É assim, sempre foi assim e sempre vai ser assim. Lula foi vaiado porque o país está mergulhado na corrupção. E Lula representa a classe política. Apenas isso e nada mais do que isso.

Pobre Pampa disse...

O que mais me impressiona, é a necessidade de encontrar uma "resposta" para o acontecimento. Talvez a resposta seja que aquelas pesquisas não são tão leais assim, à realidade...

Pobre Pampa disse...

O divertido, Maia, é que as desculpas estão cada vez mais elaboradas. Em breve, teremos uma conspiração da CIA para desestabilizar o presidente...

Guimas disse...

Porque não se critica e vaia o Cesar Maia, então? Parece que o Rio é a cidade maravilhosa mesmo - sem violência, sem favelas, sem pobreza, sem corrupção. Quer dizer, os anti-Lula acham corretíssima e democrática a vaia e a crítica ao presidente, mas desprezam quem o aplaude? Me parece mais do mesmo, pobre pampa.

Pobre Pampa disse...

Na verdade, Guimas, o Pobre Pampa acha que o Cesar Maia tinha que ser muito mais vaiado que o Lula no RJ, pois a situação lá está mais que crítica, mas isto não reduz o peso das vaias ao Lula no Maracanã.

A surpresa do Pobre Pampa foi para as explicações encontradas para as vaias. Desde as entradas dadas pela prefeitura (algo em torno de 500 lugares, enquanto as empresas federais que patrocinaram distribuiram mais de 9.000)) até a identificação de uma elite branca...