terça-feira, 29 de setembro de 2009

Antes é antes...

No Estadão, o PoPa leu que o chanceler brasileiro "voltou a negar que o Brasil soubesse do retorno de Zelaya a Honduras, e disse que o GOVERNO BRASILEIRO das intenções do presidente deposto apenas MEIA HORA ANTES". Bem, já reconhece que soube com antecedência as inteções de Zelaya, o que nem ele nem seu chefe reconheciam, até hoje. Repare que ele não fala que soube, mas que o governo soube meia hora antes. Não foi, portanto, uma surpresa a chegada dele na embaixada, como quiseram fazer o mundo inteiro acreditar.

Aos poucos, a farsa da diplomacia brasileira vai caindo, ao ponto do próprio presidente do senado estar querendo safar-se da companhia desagradável dos aloprados diplomatas.

É realmente uma lástima que não tenhamos uma oposição decente neste país. Imagenem uma situação semelhante ter acontecido com qualquer outro presidente. FHC ou Serra, por exemplo. Qual seria a reação d"o cara" e seu partido?

2 comentários:

Clausewitz disse...

Peço ao amigo a abertura de espaço e a possibilidade de propagandear meu novo conjunto de enquetes versando sobre Honduras, cujas perguntas são:

A deposição de Zelaya foi um golpe de estado?

O governo petista apoiou a entrada de Zelaya em Honduras?

Você concorda com o homizio (esconderijo) de Zelaya na embaixada brasileira em Tegucicalpa?

Lula da Silva merece o impeachment por seu comprometimento com a causa de Zelaya?

Por todas as ações já tornadas a efeito no foro de São Paulo, quem você acha que é o chefão?

Passem lá e votem, mas votem logo antes que minha embaixada seja invadida... grande abraço

http://novoblogdoclausewitz.blogspot.com

PoPa disse...

Já estou indo lá!