terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Vida louca, vida breve


Até prova em contrário, esta vida é a única e é breve, muito breve. A única coisa que deveria interessar ao homem, seria a felicidade, sua e dos que o cercam. E o que é felicidade? Em um plano meramente físico, é a ausência de problemas, de doenças, de dores. Simples assim! Somos felizes a maior parte de nossas vidas, mas muitas vezes, nem percebemos isto.

E o que fazem as religiões ao redor do mundo? Cantam hinos a vidas pós morte, negligenciando a vida que está aqui mesmo! Plantam ódio entre as pessoas, quando deveriam cultivar o amor e a compreensão. Mesmo a religião católica teve sua cota de infâmia e ódio durante sua existência. E o que vemos hoje, nas religiões nascentes, aqui mesmo no Brasil? Ódio contra outras religiões, para conquistar fiéis, como se vendessem um produto.

Os muçulmanos estão invadindo a Europa, de maneira sutil (nem tanto) e procriando a níveis muito maiores que os nativos. Em muito pouco tempo, talvez menos de 50 anos, teremos uma Europa muçulmana. Leis já estão se adequando a esta presença, em vários países, sempre com a idéia de "preservação da cultura". A África já está neste caminho há mais tempo. As américas devem ser um sonho um pouco mais longínquo, mas o namoro de Chávez com o Iran já mostra seus primeiros passos.

O Velho Mundo tomado pelo islamismo e as Américas tomadas pelos evangélicos de última hora! Estes já estão presentes em boa parte da vida política brasileira, buscando aumentar seus espaços de poder, pois grana já tem bastante.

Este é o futuro da humanidade? Retornarmos à idade média em termos religiosos? Se a loucura do Oriente Médio se espalha - e não é difícil imaginar isto em termos históricos - esta é uma possibilidade assustadora. Mas real, palpável!

Imagem: "They came first…" poema atribuído ao pastor Martin Niemöller, sobre a inatividade dos intelectuais alemães frente ao crescimento do nazismo. Estamos vivendo algo parecido?

4 comentários:

Anônimo disse...

"A Alemanha perdeu a guerra, e o mundo perdeu a paz!"

Anônimo disse...

"A Alemanha perdeu a guerra, e o mundo perdeu a paz!"

charlie disse...

O que eu sei é que a história da civilização não é linear, perene. Não é algo que sempre existiu, e que vai continuar a existir indefinidamente e por conta própria. A geração de meus avós viu e viveu um período que por muito pouco não jogou o Ocidente nas trevas do obscurantismo fanático. A geração de meus pais viveu sob a sombra do martelo e da foice.

A luta pela sobrevivência da civilização é constante e inclemente. Quase duas décadas depois do fim da ameaça vermelha, os herdeiros de Maomé estão aí para nos submeter aos preceitos do Corão. É a nova ameaça.

Bárbaros já destruíram nossa civilização no passado, e foram necessários quase mil anos para renascer.

charlie disse...

Ah, é! E a História costuma ser irônica: foram os descendentes dos mesmos alucinados que hoje pretendem demolir o Ocidente apostata os principais responsaveis pelo seu renascimento. O Isla nem sempre foi este atraso obscurantista.