sábado, 24 de janeiro de 2009

Escrevo estas mal traçadas linhas...

O PoPa leu no Estadão, alguma coisa sobre a carta de Lpt aos italianos. Em primeiro lugar, a carta foi escrita por Tarso e não pelo Itamarati. Lpt [tarso] escreveu ter "plena consideração ao Poder Judiciário italiano", mas justificou: "A concessão da condição de refugiado ao senhor Battisti representa um ato de soberania do Estado brasileiro. A decisão está amparada na Constituição".

Ao Ministério das Relações Exteriores, coube a tarefa de carteiro. E Amorim ainda falou, sobre a tensão entre Brasil e Itália: "Para mim, a relação não está tensa. Se alguém está tenso, não sou eu." Deve ser verdade. Provavelmente, não percebeu o que pode causar esta decisão "soberana".

Um comentário:

Fernando disse...

PoPa os depreparados governantes desta (da)nação pensam que podem fazer tudo o que manda o livrinho vermelho do comunismo e que o mundo irá desabar em salamaleques respeitosos à soberania e inteligência brasileira.
Acontece que a coisa não funciona como querem essas cabeças deformadas pela esquerdopatia crônica que são portadores todos os PTralhas e Bolivarianos da Amérdica Latrina. O mundo não é o quintal do Loco Chavez e nem a periferia de Garanhuns existem muitas democrácias sólidas e atuantes no planeta e a Itália é uma delas, só a PTralhada não entende isso.
O povo brasileiro, covarde, indolente, burro e de má fé foi exposto mais uma vez para os países da Europa, depois os turistas deslumbradinhos terceiro mundistas reclamam quando são tratados como bandidos nos aeroportos europeus. Nós estamos fazendo por merecer o preconceito, e diante de fatos como esse do terrorista, o governo brasileiro só fez cooperar com a péssima imagem que temos lá fora.