quinta-feira, 23 de abril de 2009

"Lei seca"

O PoPa nunca acreditou na eficiência da tal "lei seca". O exagero do 0% de álcool no sangue pretendia fazer com que os pinguços desistissem de dirigir. Pois não é o que acontece.

Aqui em Pelotas, esta semana, um bêbado dirigindo uma S10, bateu atrás de uma moto, ferindo os dois ocupantes. Fugiu a pé e foi preso por brigadianos poucas quadras adiante. Preso, foi levado à delegacia e solto após o pagamento de uma fiança de mil e quinhentos reais. A jovem que estava na carona da moto teve a perna esquerda amputada e ainda está em estado grave. O condutor da moto também continua hospitalizado. E o bebum curou a bebedeira em casa!

Para isto, não precisava de uma nova lei! Agora, se na travessia do Taim, você atropelar uma capivara, é crime inafiançável...

O Brasil não precisa de novas leis. Ao contrário, precisa começar a cortar algumas e racionalizar a justiça. A mania que temos de seguir fazendo leis de acordo com o momento é terrível. Faz-se leis sem pensar em sua aplicabilidade. Criam-se castas, como se não fossem todos iguais perante a lei. Não são! Índios podem matar criancinhas, idosos jovens podem furar a fila em bancos e supermercados, não brancos tem acesso facilitado em concursos e vestibulares, ninguém pode usar uma arma para proteger-se, bêbados matam no trânsito e pagam multinhas! O PoPa está achando que somente uma grande revolução pode salvar o Brasil. E esta revolução vai demorar muito, pois exige que a população entenda o que se passa, tenha estudo, vote decentemente...

5 comentários:

Diego disse...

Essa lei seca é uma besteira mesmo. A única coisa que deu o efeito 'funcionou' foi o fato de ser uma lei nova (o que implica em muita fiscalização, por exemplo). Quando ela deixar de ser uma lei nova vão tratar ela exatamente como tratam as outras leis.

Quanto ao Brasil, acho que só educação salva... mas isso é um achismo mesmo. Digo isso porque tem países que podem ser fisica e economicamente destruídos, (temos alguns exemplos da segunda guerra) e em poucos anos eles ultrapassam os países de terceiro mundo. A idéia coisa que me ocorre é que educação e cultura não são tão facilmente destruidos, e fazem uma grande diferença.

Pobre Pampa disse...

Minha mãe sempre dizia que o legado dela era a educação que ela dava aos filhos. Conhecimento, ninguém arranca de ninguém!

Charlie disse...

Pois é, o Diego disse o que eu iria dizer. O pouco efeito que a "lei seca" promoveu foi graças principalmente ao fato de ser uma nova, e polêmica, lei. Disso resulta uma fiscalização excepcionalmente dura. Moral da história: o problema não é falta de lei. Leis nós as temos aos montes. O problema é fiscalização.

E sobre mudanças no Brasil, mesmo lavando o país em sangue com alguma revolução o brasileiro continuará sendo brasileiro. A tristeza do Brasil é justamente estar cheio de brasileiros.

CINEMAN disse...

O que é queres dizer com "idosos jovens" furando a fila em banco? Idosos são idosos independente da jovialidade que possam ter. Como disse nossa querida prima "-Quem mandou não se cuidar."

PoPa disse...

É a falsa idéia das castas, Cineman! Não se melhora o atendimento geral, mas se permite que alguns sejam mais iguais que outros. Que alguém com problema de saúde, independente da idade, tenha algum tipo de preferência, ok, fora isso, acho abuso!

Por que velhinhos não pagam passagem de ônibus? Se isto saísse do bolso do governo - ou seja e toda a sociedade - tinha algum sentido, mas sai do bolso dos outros usuários de ônibus que não são, em sua maioria, privilegiados monetariamente.

Mas tem uma insidiosa diferença, não sei se legal, mas no INSS, podes estar caindo, quase morto, que não tens privilégio nenhum. Não há fila especial para pessoas com dificuldades.