quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Yeda

O PoPa ficou bem chateado com o indiciamento de Yeda. Não porque goste da governadora, mas porque o trabalho dela estava levando o Rio Grande ao caminho certo, com austeridade e competência gerencial. Faltou trato político, com certeza, mas isto não é um delito grave - pelo menos, não no Brasil atual.

Mas o PoPa está ainda mais chateado com o fato de que este indiciamento - correto, pelas primeiras informações - não se estende a todos os políticos que tenham comprovada a sua participação em fraudes. Como Sarney, como da Silva, como Renan...

4 comentários:

Frodo Balseiro disse...

Dois pesos e duas medidas sempre favoreceram a turminha do Lulla, já reparou?
Delúbio, Palocci, Duda Mendonça, Sarney, Collor, Renan, essa porcariada toda.

Carlos Eduardo da Maia disse...

O estrago está feito. Não se sabe que acusações existem contra Yeda. Além disso, não se sabe que provas existem contra ela. Muitas vezes o MP entra com ação civil pública por improbidade administrativa apenas com base em simples ilação. Muitas ações são julgadas improcedentes. Mas até que isso ocorra leva-se anos, décadas. Yeda até pode ser inocentada, mas aí já será tarde demais. Também acho que o governo Yeda foi o que mais contribuiu para direcionar o RS em um caminho melhor. Bateu de frente com o interesse corporativo, como a diretoria do CPERS que não quer saber nem mesmo de discutir um Plano de Cargos e Salários de 1974, que engessa a gestão pública e teve compromisso fiscal, ajustando os créditos e débitos. Uma pena.

CINEMAN disse...

Pois eu estou achando que esta corporação, chamada Ministério Público, está trabalhando para o peremptório Tarso.

PoPa disse...

Seilá, mas que é esquisito convocar uma entrevista coletiva, apresentar o calhamaço e não dizer nada do que está nele. Estranho, muito estranho!