domingo, 25 de novembro de 2007

Venezuela no Mercosul

Ainda não é definitivo (a proposta vai ao plenário da Câmara e depois ao Senado Federal), mas a CCJC da Câmara Federal aprovou relatório de Paulo Maluf apoiando sua entrada no Mercosul. Vale a pena ler o voto apresentado em separado por deputados que não concordaram com o feito. O PoPa registra parte dele:

...

Ainda, a plena vigência das Instituições Democráticas é condição essencial para o desenvolvimento dos processos dos estados partes. A vigência do estado democrático de direito, respeito aos direitos humanos, liberdade de ir e vir e liberdade plena de expressão e opinião estão no teor técnico dos tratados relativos ao Mercosul para admitir aos países membros do bloco, logo atualmente, a inserção da Venezuela sem o preenchimento dos requisitos básicos para integrar o Mercosul é condição suficiente para sua não incorporação no Bloco.

...

Ora, nobres pares, onde estaria a autoridade pública das regras jurídicas constitucionais brasileiras se o Poder Legislativo, na sua atividade essencial de legislar, aprova o ingresso de um país no MERCOSUL, que em seu território não garante os princípios norteadores constitucionais basilares para manter relações internacionais dignas e de interesse público nacional.

A crise das instituições na Venezuela são tão evidentes que o próprio Senado brasileiro aprovou uma moção sugerindo que o Governo venezuelano revertesse a decisão em relação à não renovação da concessão da emissora RCTV. O presidente Chávez afirmou que o Congresso brasileiro “repete como papagaio” as posições dos Estados Unidos. Segundo dados da imprensa, a crise chegou até o Executivo brasileiro, quando o Presidente Lula defendeu a posição do Senado e classificou as palavras de Chávez como “manifestações que (põem) em questão a independência, a dignidade e os princípios democráticos” do Brasil. Assinam: Deputado Matteo Chiarelli (DEM/RS) Deputado Roberto Magalhães (DEM/PE) e Deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM/BA)

O PoPa acompanha o pensamento destes deputados, principalmente no ponto em que Chávez ofende ao parlamento brasileiro, demonstrando qual será sua atividade quando fizer parte do bloco. Resta ao Brasil saber que ele vai falar pelo Mercosul no mundo inteiro. O Brasil precisa disso? O Brasil QUER isso? Ou alguém imagina que ele vai ficar fuçando somente nos assuntos internos do Mercosul?

6 comentários:

CINEMAN disse...

Eu acho que devemos permitir a entrada do Chaves no Mercosul. Para liquidar com estes caras que falam muito nada melhor que dar espaço para falarem. Da agressáo ao parlamento daqui a pouco ele vai agredir o povo brasileiro e os companheiros no governo. E ai vai ficar só com teus amigos do MST.

CINEMAN disse...

Li ao lado que o PoPa recomenda com restrições o Reinaldo Azevedo, eu não perco nenhum artigo dele. Não concordo com tudo que ele diz mas recomendo sem restrições. Leitura imperdível até pelo ódio que provoca nas hostes do atraso.

Carlos Eduardo da Maia disse...

TAmbém sou leitor do REinaldo. Mas essa história do Maluf ter votado a favor da entrada da Venezuela no Mercosul é porque tem algo bem obscuro no meio. Maluf quer fazer média com seus novos companheiros.

tita coelho disse...

Tomara que não entre...eu particularmente acho um absurdo!!
beijos

Pobre Pampa disse...

Sobre o Reinaldo: não aguento o catolicismo exacerbado dele. E não gostei do que ele escreveu sobre Janer Cristaldo, que é um cara que também escreve bem e é anti-católico... :-)

Toscoman disse...

Este chicano é um obtuso. Dias atrás andava pelo Oriente Médio pressionando as teocracias maometanas do petróleo a fazer uso deste recurso contra o Ocidente, em especial contra os americanos. (o que não deixa de ter uma certa esperteza: forçaria os gringos a comprar mais petroleo venezuelano..)

É absolutamente certo que quando o cucaracha fizer parte do bloco, vai dar um jeito de assumir o controle e nos jogar contra o resto do mundo civilizado. Quer fundar algo como uma URSB - a União das Republiquetas Socialistóides Bolivarianas.

É o fim.