quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Renovação no Governo Yeda

Como fica agora? O PP não pode continuar no governo Yeda, pois deu uma solene rasteira nela. O PoPa já tinha trocado de idéia sobre a nova carga de impostos e que a sociedade gaúcha não deveria ser espoliada mais uma vez. Se o Estado está quebrado, vamos continuar o trabalho de reduzir gastos. Quem sabe até reduzir impostos em áreas problemáticas, onde a sonegação é mais forte? E buscar a parceria das prefeituras municipais para a fiscalização do ICMS? Esta é fácil e o PoPa já falou sobre isto em outras oportunidades: adianta uma parte do fundo de participação dos municípios DIRETAMENTE NA CONTA DA PREFEITURA, assim que a empresa paga o tributo. Qual prefeito não iria colocar sua tropa de fiscais a verificar toda a movimentação de sua cidade?

Na ZH de hoje, a notícia de que Otomar Vivian, Pedro Westfallen e Celso Bernardi pediram demissão, que não teria sido aceita por Yeda. Agora, ou eles saem do partido, ou saem do governo. Simples? Nem tanto... São algumas dezenas de cargos que o PP tem no governo. O próprio partido vai ter que tomar esta decisão. Ou são governo ou não são governo. Sem essa de ficar aparecendo como bonzinho para o povão.

3 comentários:

CINEMAN disse...

É óbvia mas não fui o primeiro a dizer: - " - Agora a Yeda vai ter que partir mesmo para a nova forma de governar"

CINEMAN disse...

Não sei porque mas tenho um feeling que a governadora é vingativa. Coisa própria dos deuses do Olimpo. O primeiro a pagar o pato vai ser o funcionalismo. Alguma dúvida?

Pobre Pampa disse...

Sem dúvida esta seria a primeira reação dela. Espero que o povo que a cerca consiga mantê-la sob controle. Mas o funcionalismo iria pagar, de qualquer maneira, pois este pacotão não iria resolver o problema, apenas amenizá-lo.