quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Trapalhadas

Alguns aloprados ligados ao governo, resolveram fazer um ato que alimentasse a idéia de que as oposições e a mídia quisessem um enfrentamento mais duro. E mandaram alguns subordinados fazerem o trabalho sujo.

Contudo, algo parece ter dado errado, pois o som ouvido, que não foi de vaias nem de aplausos, espalhou o medo entre a população. Teorias conspiratórias foram imediatamente endossadas pelo governo, que até trocou alguns personagens para dar a impressão que estaria interessado na verdade. Não adiantou muito, pois a mídia, essa entidade golpista, começou a desconfiar e a fazer suas próprias investigações, mesmo que contrárias ao desejo do governo. A primeira reportagem da revista Veja sobre o assunto já instigava seus leitores a aprofundarem mais o conhecimento do evento. Nada batia com a versão oficial, mas o governo se esforçava muito para que a verdade ficasse confinada ao palácio.

Deputados ligados à base governista, imediatamente partiram para a defesa do governo, enquanto a oposição, timidamente, tentava saber o que realmente acontecia. Timidamente, pois com alguns governos há que ter cuidado, pois são vingativos e as conseqüências poderiam ser desastrosas para uma carreira política. Afinal, estamos falando de um governo ufanista, nacionalista ao extremo, que não mediria esforços para conter qualquer tentativa de reversão de um quadro, por muitos tido como centralizador e autoritário.

5 comentários:

Pobre Pampa disse...

Lembrem-se, a Veja - hoje acusada de golpista - encarou um governo militar autoritário, com riscos óbvios, na tentativa de levar a verdade aos seus leitores. E este governo, que diz que nuncaantesninguémfoitãodemocrático?

CINEMAN disse...

Bom mesmo é a Carta Capital que na semana do acidente de Congonhas colocou como assunto principal a morte dos sem terra em El Dorado do Carajás em 1996, com direito até a Fernando Henrique Cardoso ao lado do governador do Pará na época como numa insinuação de culpa. Ai vais dizer, " - Bom devia ser o aniversário do ocorrido." Não. Foi em abril. Então tá na cara que foi como contraponto. O governo de agora pode ter feito isto mas o do FHC fez isto. Como se interessasse.

Pobre Pampa disse...

Uma única vez eu assisti o vídeo do massacre de Carajás. Era uma turma muito grande indo na direção dos policiais. Não posso deixar de lembrar o soldado Valdeci, que estava sozinho e foi morto por desocupados do MST. Se ele tivesse disparado sua arma, poderia ter matado uns dois ou três, estaria vivo e, provavelmente, preso...

Pobre Pampa disse...

um link meio grande, mas a Globo tem um vídeo onde uma pequena parte do caso é mostrado. Justamente onde uma turma muito grande de pessoas, armadas com foices e os PMs fugindo...
http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM666229-7823-MANIFESTACOES+LEMBRAM+OS+ANOS+DO+MASSACRE+EM+ELDORADO+DE+CARAJAS+PA,00.html

CINEMAN disse...

E não esquece que dos 19 que morreram, 7 foram mortos com instrumentos de corte, facas, facões e um com uma lâmina larga, possivelmente uma foice. Não me consta que entre os equipamentos da policia do Pará constem estes equipamentos.