sábado, 4 de agosto de 2007

Que vanha o Pravda ou o Granma!

Na Zero Hora de hoje:

A crise aérea e as vaias ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva fizeram com que o PT elegesse mais uma vez a imprensa como responsável pelo desgaste do governo. Desde o escândalo do mensalão, em 2005, o partido não adotava um discurso tão duro contra os órgãos de comunicação.

Uma resolução aprovada pela executiva nacional do PT, na terça-feira, conclama militantes da sigla a resistir ao que qualifica de "ofensiva da direita, articulada com setores da mídia". A decisão provocou reações de entidades nacionais e internacionais de profissionais e veículos de imprensa.

Esta resolução foi duramente criticada pela organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF):
No comunicado, assinado pelo secretário-geral, Robert Ménard, a entidade classifica o documento petista como "inoportuno e infundado". Ménard sustenta que a mídia não poderia se omitir diante de fatos relacionados com a tragédia em Congonhas e as vaias ao presidente na abertura do Pan, em 13 de julho. "A resolução do PT é um mau sinal, indigno de um partido democrático. Ela não faz nada além de alimentar os rancores. Ela deve ser suprimida", sugere o documento da RSF.

O jornal O Globo publicou artigo de autoria do secretário nacional de Finanças do PT, Paulo Ferreira, no qual ele critica a postura da imprensa nos dois episódios. Ontem, no programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha, Ferreira disse que o PT vem amadurecendo a idéia dessa resolução há alguns anos.

O PoPa ficou estarrecido com a declaração do Paulo Ferreira. Se estão amadurecendo a idéia desta resolução há alguns anos, quer dizer que pensam em malhar a imprensa seriamente há uns três anos, pelo menos, ou logo após terem assumido o governo no primeiro mandato. EPA!

Seguindo a Zero Hora: A deputada federal Maria do Rosário, 2ª-vice-presidente nacional do PT, endossou o conteúdo da resolução. Ela disse que a sigla propõe um debate sobre a comunicação e reclamou que o tema é visto como um dogma:

- A imprensa exerce poder e deve também estar sujeita à análise.

Maria do Rosário acrescentou que a executiva nacional do PT identifica a existência de um movimento elitista na mídia e que setores da imprensa prejudicam o partido.

O PoPa continua sem saber o que quer este partido. Vejam a do Rosário falando que setores prejudicam o partido. Queria o quê? Unanimidade? Aplauso fácil? Esquecem que setores da imprensa tiraram Collor do governo (e eles gostaram e aplaudiram), que setores da imprensa colocaram Lula no Planalto? E o que quer dizer "também sujeita à análise"? Quem sabe imprensa para ela seria o Pravda ou o Granma?

3 comentários:

Deposito do Maia disse...

PP, a organização repórteres sem fronteira (www.rsf.org) está recheada de razão. A Carta do PT não está de acordo com um partido democrático. Inventaram essa agora, crítica ao Lula é golpe. Golpe onde, cara pálida?

Toscoman disse...

Interessante essa preocupação constante em manter a integridade e a imagem "do partido". O partido, parece, vem antes de tudo e tudo é feito em função dele. Logo "o partido" vai virar "O Partido".

A mídia má, golpista e didireitcha vem incomodando "o partido" faz algum tempo. Como nós já temos um exemplo bem próximo de como "o partido" pode resolver a questão (vide Venezuela), é realmente preocupante. Aliás, "o partido" já tentou "regularizar" a veiculação de informações mais de uma vez no passado recente..

Toscoman disse...

Carta Capital, Caros Amigos, e similares não fazem, obviamente, parte da mídia má. A mídia má é toda aquela que não aplaude o governo a todo momento.