domingo, 7 de outubro de 2007

O NOVO GOLPE III

A ZH deste domingo, 7 de outubro, traz uma análise do pacote e das propostas da oposição. Pois pior do que o pacote só as propostas da oposição. Ninguém vai na veia. Se eu sou um empresário e tudo o que eu arrecado vai para pagar os meus funcionários que alternativas eu tenho? Se eu olhar na volta vou ver que existem outras empresas (estados) que gastam menos com seus funcionários e conseguem prestar mais serviços. Eu estou sendo ineficiente. E se eu aumentar meus preços (aumentar os impostos) para poder melhorar os salários do meu pessoal vai ficar pior ainda. Não vou conseguir vender. Então tem que fazer aquilo que é exigência para qualquer empresa que queira permanecer no mercado. Fazer melhor e com menos custo. Quem já trabalhou no setor público sabe que metade, se tanto, trabalha e metade faz que. Não pode demitir por causa desta coisa absurda que é a estabilidade mas é necessário pensar em formas alternativas. A primeira, óbvio, é suspender todo e qualquer aumento salarial, inclusive todos os macetes imbutidos em normas criadas pelo próprio funcionalismo. Exemplo: Se o funcionário de um outro órgão passa um ano na Assembléia, incorpora um valor permanente no seu salário quando volta para o órgão de origem. Um professor faz um pós graduação de história e ganha um aumento automático. Bom, isto é justo. Justo nada.. ele leciona matemática. Isto é só uma amostra. O número de vazamentos é enorme e quem está no governo não conhece nem a metade. Dá trabalho fazer isto. Claro que esta é uma proposta que não passa pela cabeça da oposição que está, pelo contrário, na outra ponta. Gestão eficaz. Aliás, eu pensei que era isto que a Dona Yeda estava falando quando dizia que ia usar uma "nova forma de governar".
Os CCs: chega a ser piada a proposta do governo. Eliminar os cargos que não foram preenchidos. Ou seja, a economia vai ser exatamente igual a zero. Acabem com todos os CCs. Estes podem ser demitidos e, pela minha experiência, são os que menos falta vão fazer. Mas ai estaremos indo contra os nossos caros deputados que vão votar o projeto. São eles que indicam estes CCs. Fechar imediatamente a UERGS, Fundação de Economia e Estatística e CORAG. Devem ter outras preciosidades escondidas por ai e sugando o dinheiro público que poderiam ser fechadas também. Então é preciso fazer um levantamento criterioso disto tudo. Negociar com o governo federal a redução da dívida. Impossível. Talvez não se dermos alguma coisa em troca. O Banrisul pode ser uma ótima moeda de troca. Afinal para que queremos um banco comercial pertencente ao estado? Ele não contribui com um décimo do que fazem BRDE e Caixa RS, estes sim orgãos de fomento, para o desenvolvimento do estado.
Isto ai foi numa penada mas acho que tem mais coerência aqui do que nas propostas do governo e da oposição juntas.

14 comentários:

Pobre Pampa disse...

Podemos colocar a CESA nesta lista. A armazenagem está muito bem assistida pelo sistema particular e pelos próprios produtores. Uma estrutura como a CESA, que precisa manter seus funcionários durante todo o ano, embora tenha serviço apenas nas safras, é uma sangria desnecessária atualmente. Já teve sua importância e necessidade.

Está no site da CESA: Referente a dificuldade na entrega de produtos em época de safra, Ilmo fez uma promessa: “Vamos criar condições para que os silos da CESA sejam os primeiros a abrirem e os últimos a fecharem neste período”. É fácil fazer isto, já que tudo está pronto o tempo todo...

Pobre Pampa disse...

Por outro lado, o porto de Rio Grande seria superavitário e poderia fazer obras de infra-estrutura necessárias, se toda sua arrecadação não fosse para o caixa único. A mesma coisa acontece nas praças de pedágio que são geridas pelo DAER. Nem cabines decentes os funcionários têm! Arrecada e vai para o caixa único, não para a estrada...

CINEMAN disse...

Mais uma semi-inútil: Fundação de Desenvolvimento de Recursos Humanos

CINEMAN disse...

E sem esquecer aquele cabide de empregos para políticos que custa um dinheirão e nao produz absolutamente nada - O Tribunal de Contas do Estado. Não faz nada que o CAGE não faça melhor e mais barato.

Pobre Pampa disse...

é realmente um cabidão para políticos em final de carreira!

Mais um: FEPAGRO - para quê uma estrutura estadual, quebrada, para fazer (tentar) a mesma coisa que a Embrapa (e até mesmo o Irga)faz com muito mais competência?

Pobre Pampa disse...

Metroplan! Essa é dureza...

Anônimo disse...

Mas vcs nao sabem nada mesmo, fechar a UERGS , uma instituição de ensino que pode ser uma salvação ao desenvolvimento do estado

Anônimo disse...

Santa ignorância!!!!

Para quem tanto critica a incompetente da governadora, suas propostas são tão ineficientes como as dela.
Se fechar órgãos que promovem o desenvolvimento do estado, e buscam diminuir sua estagnação, econômica, social e principalmente científica, fosse a solução, o Rigotto havia salvo o RS.

Combater crise com ignorância nunca foi solução!!!!!

Há necessidade de promover um funcionamento eficiente de todas as instituições vinculadas ao estado. Ao contrário disso, as iniciativas da nossa governadora são voltadas exclusivamente a apoiar os industriais. Freia suas dívidas e freia o Rio Grande do Sul juntamente.

Nunca, em lugar algum, viu-se encontrar o desenvolvimento com paus e pedras.

É a partir do conhecimento o RS deve voltar a crescer.

Pobre Pampa disse...

Não há dúvidas que o desenvolvimento se faz através do conhecimento, da educação de qualidade e de pesquisa adequada e compatível com a realidade do Estado. Mas manter estruturas físicas enormes, paquidérmicas, sem função social, é gastar o pouco dinheiro que temos e que poderia ser utilizado em ações mais eficientes. Se estivesse sobrando, tudo bem manter estas entidades, mas não é o caso presente. Desenvolvimento se faz apostando em cadeias produtivasque tenham condições de gerar ganhos no médio e longo prazo. Não existe receita imediatista e este tem sido o maior problema de todos os governos dos últimos anos.

Pobre Pampa disse...

Não é por ser pública que deve ser apoiada. Não é por ser privada que deve ser incentivada. E aqui, criticamos o que achamos que está errado. Criticamos Lula, com sua atuação pífia e assistencialista e criticamos a Governadora, que não encontra saída além do aumento de impostos. Se falta inteligência às críticas? Questão de ponto de vista. Quem não tem argumento, usa este...

Anônimo disse...

Sim, falta muita inteligência às suas críticas. E quanto às críticas geradas a vocês, é muito simples apagá-las, como percebi que a minha foi. A educação de qualidade é a solução para o desenvolvimento a longo e médio prazo. COMO É QUE NÃO TÊM CAPACIDADE PARA ENTENDER ISSO? O povo gaúcho está me deixando envergonhada em querer fechar uma universidade pública com total função social e diretamente ligada à economia gaúcha.

Pobre Pampa disse...

Apaguei aquele comentário que utilizava palavrões e colocava minha mãe no meio. Não aceito este tipo de comentário de amigos e não aceitaria de um "anônimo". De resto, como este comentário está adequado, fica por aí. Veja que não utilizo de moderação neste blog e espero um pouco de equilíbrio dos que comentam, apenas isso.

Mas, veja, não é o povo gaúcho, é apenas um blogueiro que acha que a UERGS está somente sugando verba com muito pouco de retorno. Onde estão os cursos técnicos, de engenharias? E, em um ponto, concordo contigo: educação de qualidade. Mas isto está faltando até no fundamental...

Anônimo disse...

Santa ignorância...
Concordo plenamente com o amigo Alessandro, falaste tudo. Quanto à opinião dos outros colegas, sem comentários..
Só para comentar duas das coisas que não concordo com vcs amigos, não se gasta 1500 reais por aluno e sim em torno de 570 reais por mês. Outra coisa, o colega escreveu uma palavra por erro de digitação, mas isso não afirma que é incapacitado de se formar ou que é menos prestigiado por ser da UERGS. Senti um certo preconceito no ar...Além disso, conheço mais de uma pessoa que se formou na UERGS e está fazendo mestrado na UFRGS.

Anônimo disse...

Primeiro, devemos apoiar a educação pública. Coisa que o governo não faz, mas o ideal seria.
Segundo, a UERGS possui ensino de excelente qualidade (em maiúsculo), quem está lá dentro sabe.
Terceiro, não há como seguir a prática americana de ingressar numa universidade, deve-se cair na realidade brasileira. Lógica? Não há nenhuma.
Quarto, a procura por universidades públicas é maior, devido a qualidade de ensino e melhor preparação quando formado. Percebe-se que os comentários são de alguém que não entende e que quer dar opinião sobre tudo.
Quinto,o governo nunca deu 70 milhões para a uergs, o máximo foi de 24 milhões, com mais de 4 mil alunos, é só dividir que dá em torno de 570 reais por mês/ aluno. Matemática básica, isso o excelentíssimo vice-governador não aprendeu.
Sexto, ninguém vai decidir não fazer curso superior para ajudar o governo. Vc prefere ganhar R$500,00 ou R$2.000,00? O mercado de trabalho pede especialização, nem o nível superior basta. Emprego garantido ninguém tem, muito menos o que possui ensino médio.Isto de ter que fazer apenas nível médio, com todo respeito, não tem fundamento.
Conclusão, os comentaristas não tem idéia do que é uma universidade e suas sugestões não tem nexo.