quinta-feira, 24 de abril de 2008

Reprise

Deu na Folha (Blog do Josias), sobre uma nova CPMF (desta vez, definitiva):

A idéia é criar um imposto com alíquota de 0,20% --ao invés dos 0,38% da CPMF-- cuja arrecadação, estimada em cerca de R$ 20 bilhões anuais, reforce o orçamento da Saúde.

Segundo o autor da proposta, o deputado Henrique Fontana (PT-RS), líder de Lula na Câmara, por ora, não se trata de uma proposta de governo.

"É a posição de um líder da área da Saúde, não do líder do governo", afirmou o deputado, que é médico. "Conversei com outros líderes, que apóiam a iniciativa. Sabem que a Saúde precisa de mais recursos."

O PoPa ficou pasmo com a idéia brilhante deste gaúcho de Porto Alegre: apesar de líder do governo, sua proposta não é uma proposta de governo! Será que o brilhante deputado vai tentar convencer o povo que "desta vez", o imposto vai mesmo para a saúde [lembrem-se sempre de Jatene]? E os recordes arrecadatórios, que não estavam previstos [pelo menos oficialmente], por que não vão para a saúde? Ou ainda, a saúde estaria diferente HOJE se ainda existisse a cpmf? Talvez dissessem que não houve tempo, mas quanto tempo será preciso, já que Lpt está aí há seis anos e a situação da saúde continua igualzinha, talvez pior. Claro, tem quem diga que a saúde brasileira está a um passo da perfeição...

Henrique Fontana, além de médico e administrador, também é escritor: "O outro lado do Real: as marcas de um governo neoliberal no Brasil". O pt, como se sabe, foi o grande ganhador do Plano Real: criticou quando oposição, aproveitou-se dele quando governo.

3 comentários:

Ricardo Rayol disse...

viva a esbórnia.

Paula Cavalcanti (Paps) disse...

Não é possível... Será que reza forte ajudam esses dois anos a passarem depressa?

tita coelho disse...

Que vergonha Popa, os caras não tem limite não!
beijos