sexta-feira, 18 de abril de 2008

Reinaldo Azevedo

Uns dois ou três dos dez leitores do PoPa não se aproximam da página de Reinaldo Azevedo. E é difícil conseguir ler tudo que o cara escreve, pois ele faz isto furiosamente e em grande quantidade. Mas hoje, ele faz uma análise do fenômeno LPT, que vale a pena ler:

Lula, em Minas, estava no melhor da sua forma. No evento em que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, chamou a solenidade do PAC de “comício”, o presidente afirmou que “rico não precisa de governo” e conclamou a massa pobre presente a não acreditar nas promessas dos políticos, que só estariam interessados no seu voto e nada mais. O presidente que, também ali, tratou a elevação dos juros como se fosse uma banalidade qualquer — a derrota de um jogo de futebol —, parecia introduzir no discurso o surrado jargão da luta de classes. Horas antes, a racionalidade econômica de sua gestão tinha sido cantada em prosa e verso pela Federação Brasileira dos Bancos. Há um aspecto aparentemente confortável em tudo isso: o “evento” Lula é irrepetível. Outro com suas características, cuja biografia mitificada incensa e perdoa qualquer coisa que diga, não mais haverá. Mas o conforto é rápdo. O Apedeuta não passará pelo poder sem deixar alguns efeitos colaterais.

Enquanto o presidente protagonizava a sua pantomima eleitoreira, o MST ia passando por cima da lei em manifestações em vários pontos do país. Impedido por ordem judicial de voltar a atacar instalações da Vale do Rio Doce, os sem-terra assumiram a fachada de um tal Movimento dos Trabalhadores da Mineração e ocuparam as... instalações da Vale!!! Sem que a lei e o estado de direito movessem uma palha. Na Universidade de Brasília, o “intelectual” socialista Fernando Haddad, que vê no MST um modelo de movimento social, dava aos estudantes invasores o caminho das pedras para burlar a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Isto mesmo: o representante do governo e, no caso, do estado brasileiro ensinava como tornar letra morta o texto legal.

Da Lei Eleitoral à Constituição da República, o código legal foi sendo esbulhado de maneira que pode ser considerada metódica, determinada, sistemática. Lula só se lembrou de reagir quando ficou sabendo do teor da intervenção — legal e constitucional — do general Augusto Heleno, comandante da Amazônia, no Clube Militar. Recorrendo, aí sim, à sua autoridade, convocou o comandante do Exército e o ministro da Defesa para que dessem explicações. Ele não gostou de ver o militar falar o óbvio: a política indigenista brasileira é desastrada e despreza a história da colonização do país. No alvo. Em Brasília, índios já mobilizados por ONGs foram ao STF e protestaram em frente ao Ministério da Defesa.

Que os deuses nos protejam mesmo, por um bom tempo, de uma crise, já que assistimos a essas manifestações de desconstituição da legalidade num momento em que a economia vai bem. Nas democracias do mundo inteiro, a divergência política é o motor da sociedade, mas não há quem aposte na divisão e, pois, no confronto entre classes, entre etnias (sinto-me até um tanto ridículo ao escrever isso), entre saberes, entre Poderes. No mais recente debate entre Hillary Clinton e Barack Obama, pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA, ele foi obrigado a se desculpar por ter criado uma oposição entre o americano meio caipira e o cosmopolita. O país não aceita esse tipo de afronta.

Por aqui, ao contrário, aproveita-se a estabilidade para investir ainda mais no confronto, já que o Demiurgo precisa manter a personagem do homem humilde que veio governar para os pobres, para os destituídos, para os humilhados. E a forma que tem de manter o mito, ao lado do assistencialismo do Bolsa Família, é sacar contra os mais comezinhos conceitos de nação. As divisões lhe serão sempre favoráveis.

Lula vai passar — um dia passa. Mas vai deixar uma herança. Seus apologistas pretendem que tenha trazido para o cenário político “as massas”, antes supostamente ausentes do processo. Trata-se de uma bobagem mistificadora. O fato de permitir que os chamados “movimentos sociais” desrespeitem, de forma acintosa, a lei — o que ele próprio fez, em cima de palanque — está longe de ser um “avanço da democracia”. A “reforma agrária” do MST é o melhor exemplo de atraso.

Todas as democracias do mundo têm seus limites permanentemente testados. Se os governantes se atêm ao que dizem as leis e as aplicam, então o modelo se revigora; se, no entanto, são os primeiros a burlá-las, vão-se instalado mecanismos paralelos — ilegais — de equacionamento de conflitos. E isso, claro, é do interesse tanto de alguns delinqüentes políticos que apostam na desconstituição do estado para fazer a “revolução” como dos oportunistas que usam os embates ideológicos apenas como pretexto para fazer negócios tão bons quanto ilegais.

Uma coisa chamou a atenção do PoPa: Dilma chamou uma solenidade pública, paga com a grana pública, de "comício". Duvida? Escute aqui... está lá pelo 1:35. A imprensa fala em "gafe", o PoPa fala em "ato falho", aquele momento em que se fala a verdade, sem querer.

7 comentários:

CINEMAN disse...

Todo mundo atento ao que a Dilma vai dizer no comicio da filha dela no sábado.

Anônimo disse...

Paim,melhor senador do RS?Beberam,é isso?
Não há nenhum senador gaúcho que preste,são todos uns cagões,vendidos para o MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO,que está fazendo a Revolução Passiva!Cadê a Direita DE VERDADE deste país,porra?Com excessão do DEM(que nome,porra!!!Lembra o nome dos comunistas dos USA,o tal Partido "Democrata"-se nem o nome da legenda esta putada sabe escolher direito,que Direita DE vERDADE haverá de surgir no Brasil???)-,qual é o outro partido brasileiro,mesmo que seja um arremedo de Direita,para se apresentar como alternativa para um eleitorado,em sua grande maioria,conservador,de Direita,religioso,legalista,etc.???
É como diz o grande Olavo de Carvalho,esquerdista bom é que nem quadrado redondo,não existe!Acordem,seus patetas!Vão estudar mais acerca do que é GRAMSCISMO,suas toupeiras!O senador Paim está ajudando o seu partido(o PT),a fazer a Revolução Passiva,para destruir a democracia,seus burros!Por que vocês acham que estão sendo tão atacadas TODAS as Instituições democráticas e o Estado de Direito?Tudo isto faz parte das estratégias de tomada de poder criadas pelo porra louca do falecido(felizmente)Antônio Gramsci!Por que existe,via mídia,via literatura,via cultura,uma ATAQUE SISTEMÁTICO,ININTERRUPTO aos valores morais,religiosos,democráticos,etc.?Isto foi concebido há muito tempo pelos marxistas culturais!Estes perceberam que,para o Mundo Ocidental abraçar o Comunismo/marxismo/socialismo/nazismo/fascismo/ateísmo militante,etc.,seria necessário destruir as bases na qual está assentada a Cultura Ocidental,a moral JUDAICO-CRISTÃ!!!Pois a Cultura Ocidental está baseada num tripé:a Filosofia grega,o Direito Romano e a moral JUDAICO-CRISTÃ!!!Entenderam ou preciso desenhar,pô????!!!!!

Ricardo Rayol disse...

o tio rei tem seus momentos mas de forma geral ele é chato que dói.

Pobre Pampa disse...

To achando que este carinha aí surtou... :)

CINEMAN disse...

Olha, com o que anda por aí as vezes eu surto também. Um dia destes assisti aquele deputado do Pt, não lembro o nome, o carequinha, oriundo das comunidades de base, na CPI do DETRAN. A depoente, uma advogada, não disse nada, só o chavão:"Vou usar meu direito constitucional..." Ao final o Bonh Gass (lembrei o nome) concluiu inteligentemente "-Pelo que vimos no depoimento a depoente entrou em diversas contradições"

Pobre Pampa disse...

Rayol, o Reinaldo é, com certeza, muito chato, principalmente quando fala no catolicismo. Durante muito tempo, o PoPa manteve um link com "restrições", mas tirou por achar que no balanço geral, ele é um jornalista que bate bastante no desgoverno do pt. E, justamente por saber que poucos têm paciência para ler os imensos e inúmeros posts dele, é que o PoPa colocou este aqui.

Pobre Pampa disse...

Cineman, claro que houveram diversas contradições. Ela falou em "direito constitucional" e o pt acha isto contraditório...