terça-feira, 12 de junho de 2007

Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais

Quando falamos de qualquer coisa que envolva tecnologia, é preciso ouvir quem entende do assunto e fez estudos, análises e trabalhos sobre o assunto, sem a paixão dos dogmas.

E o IPEF (está no site deles), mediante forte parceria com o Departamento de Ciências Florestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo, há quase quatro décadas, oferece condições para o desenvolvimento de pesquisa e tecnologia, na direção da melhoria da qualidade, produtividade e utilização das florestas, contribuindo para o desenvolvimento do setor florestal, de forma economicamente viável, ambientalmente adequada e socialmente justa (o grifo é do Pobre Pampa). Claro que este instituto é mantido pelas empresas de celulose, mas é importante salientar a parceria que mantém com a ESALQ, uma das mais importantes entidades de ensino e pesquisa deste País.

O Pobre Pampa conheceu este site através de um amigo portoalegrense, também preocupado com os rumos que este assunto tem tomado, aqui no RS. O texto a seguir foi selecionado para os leitores do PP:

O eucalipto precisa de muita água?

Fibra - Jornal da Cenibra - Nº 217 - Novembro de 2003

Uma das críticas que se costuma fazer ao eucalipto é que ele precisa de muita água durante a fase de crescimento. Isto é desmentido por estudos recentes, que têm mostrado não haver muita diferença entre o consumo de água de diversas espécie florestais e o eucalipto.

Isso também é verdade em comparação com a agricultura: ele apresenta consumo parecido com o do café e menor do que o da cana-de-açucar. Em países com pouca disponibilidade de água, como Espanha, Itália, Israel e Marrocos, grandes áreas estão sendo usadas para o plantio de eucaliptos, sem problemas. No caso de Israel, inclusive áreas de deserto estão sendo usadas para agricultura, depois do cultivo do eucalipto por períodos entre 20 e 30 anos.


Cultura Consumo de água (mm)
Cana-de-açúcar 100-2000
Café 800-1200
Citrus 600-1200
Milho 400-800
Feijão 300-600
Eucalipto 800-1200

Obs: 1 mm (milímetros) corresponde a 1 litro por metro quadrado.
Fonte: CALDER, et al, 1992 e LIMA, W. De P., 1992

Pelo fim do preconceito

Falar de eucalipto é uma coisa que, como se diz “dá pano pra manga”. Uns defendem, outros ainda atacam. Mas esta discussão parece estar chegando ao fim, já que, hoje, o eucalipto vem sendo visto com outros olhos. Isso porque, muitas acusações contra ele vêm sendo sistematicamente desmentidas por pesquisadores que o estudam em todo o mundo. É justamente para aprofundar essa discussão que o Fibra passa a publicar, a partir dessa edição, uma série de matérias sobre o eucalipto, esperando contribuir para o esclarecimento de dúvidas e para acabar de vez com o preconceito que se costuma ter contra ele.

Imagem: capa do folder do IPEF

2 comentários:

cassio disse...

Minha conclusão é óbvia: além de eliminarmos a cultura do eucalipto, devemos eliminar também a do café e citrus. Beleza!

Prof Charles disse...

A lenda do eucalipto bebedor de água se difundiu porque o eucalipto é uma planta resistente ao excesso de umidade no solo. Então onde outras plantas morriam o eucalipto subsistia e, como qualquer outra planta que conseguisse sobreviver, extraia água do solo e secava áreas naturalmente encharcadas. Não sei se nossos pesquisadores referendam isto mas era o que se falava nos meus tempos de guri.