sábado, 21 de novembro de 2009

Battisti, Genro: "No estradizione, Italia fascista"

Nos jornais italianos, uma interessante declaração do Presidente do Senado italiano, Maurizio Gasparri: A amizade da Itália para o Brasil é tal que podemos ignorar mais uma vez a patetice dita pelo Sr. Genro (L’amicizia dell’Italia per il Brasile è comunque tale che riusciremo ad ignorare ancora una volta le panzane dette dal signor Genro).

Enquanto isso, o cara está esperando para dar sua posição final, já que o Supremo ficou em cima do muro. O PoPa acredita que, qualquer que seja a decisão, o cara vai sair por cima, intocável. Este é o Brasil do século XXI.

Imagem e título do post: Ilgiornale.it

8 comentários:

PoPa disse...

Reparando melhor a foto, parece que ele está com uma estrela na lapela. Estava representando quem, lá na Itália?

José de Araújo Madeiro disse...

Laguardia,

Estivemos pensando e pedimos aos amigos italianos que nos deem créditos de confiança, para nos ajudarem a sair desse atoleiro tramado por Lula e demais companheirada do Foro de São Paulo.

Lula tem em mente destroçar às instituições brasileiras e o caso Battisti está inserido nesse contexto.

Então que nós devemos pedir a deportação do Battisti para Itália onde vá pagar pelos seus crimes, enquanto eles, os italianos devem criar uma série de constragimentos para o Lula e seus factóides por onde passarem.

Se o Battisti for deportado é por ações dos internáutas e da imprensa livre que sempre esteve exigindo. Mas por eles, o Battisti estaria em trânsito livre por todo Brasil.
Att. Madeiro

José de Araújo Madeiro disse...

PoPa,

Desculpe-nos amigo.
Pensei está fazendo este comentário para o Laguardia.

Mas com certeza estamos na mesma luta.

Abtraços do
Madeiro

CINEMAN disse...

A declaração do peremptório Tarso certamente colocou o Lula numa sinuca. Acho até que agora é possível que ele aprove a extradição do cara.

PoPa disse...

Sem problemas, Madeiro!

Sobre as declarações - infelizes - de Tarso, concordo com o Cineman. É provável que sirva como a alavanca que faltava para da Silva decidir pela extradição. Afinal, se ele deixar o bandido por aqui, pode parecer que ele está se abaixando para Tarso...

CINEMAN disse...

PoPa não vi se fizestes algum comentário sobre o Caetano e o Lula, mas tem um ponto interessante que ainda não vi ninguém comentar. No regime nazista e no comunista (para falar dos dois lados) tem aquela história dos filhos entregarem os pais. Agora, pelo menos no caso Lula/Caetano, temos a tentativa de fazer a mãe renegar o filho.

Laguardia disse...

Há um premio para você no Blog Brasil Liberdade e Democracia

Carlos Eduardo da Maia disse...

Eu fico pensando, como poderia ser um governo Tarso Genro no RS? Não acho que ele seja uma espécie de Olívio, casmurro, fechado, mas é um sujeito que talvez seja mais perigoso, um autentico intelectual orgânico....