quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Embargo

No Estadão: NOVA YORK - A Assembléia Geral da ONU aprovou nesta quarta-feira, 29, por uma maioria arrasadora, uma resolução que pede o fim do embargo econômico e comercial declarado há quase meio século pelos Estados Unidos contra Cuba. O documento alcançou um apoio quase unânime dos 192 países que integram a ONU, já que 185 países votaram a favor, contra três (Estados Unidos, Israel e Palau) que foram contra, duas abstenções e duas nações que não votaram.

Muito se diz sobre o tal embargo, mas o fato é que este é um embargo puramente americano, que impede que empresas americanas façam negócios com Cuba. O Brasil, por exemplo, pode negociar à vontade com a Ilha. Inclusive, uma empresa americana fornece chassi de ônibus para Cuba, através de uma montadora brasileira. Mas por que os cubanos iriam querer negociar com o "império"? Ora, tem muito país terceiromundiasta aí para fazer negócios! É uma questão de mercado... ops, eles também não são chegados a isto...

McCain diz que somente levantará o embargo, até que Havana liberte seus presos políticos e permita a liberdade de expressão. Obama, por sua vez, ficou meio em cima do muro, como parece ser seu estilo. Defende que o embargo seja "atenuado".

2 comentários:

Charlie disse...

O termo embargo não parece o mais apropriado. Talvez "boicote" fosse mais correto. Os gringos não podem ser coagidos a fazer negócios com ninguém, oras.

Essa situação deve ser a ironia do século. Um país comunista desesperado pelo vil metal do Império! Oras! Se é tão importante, porque o regime não cede?

Esse Obama parece ser um oportunista e um falastrão. E muito esperto. Estou louco pra ver a administração dele...

Anônimo disse...

Agradecemos a visita, o comentário e o link de Geraçao Y em portugues.
A respeito do embargo americano há um post da Yoani neste link:

http://desdecuba.com/generaciony_pt/?p=97

abraços e continue firme neste seu blog que junto a muitos outros pelo mundo afora são a manifestação da verdadeira liberdade de expressão.

Geração Y.