quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O máximo do mínimo, ou o corte na carne mais magra...

Nestes momentos de aperto de cinto, o governo federal espera que os trabalhadores assumam toda a responsabilidade da gastança feita pelo governo anterior. Sim, os dois últimos anos do governo do cara, foram de uma total irresponsabilidade financeira e a oposição (hã?) nem consegue colocar isso em discussão.

Esta discussão de valores de salário mínimo cansa! Governo e imprensa colocam números estranhos. A ZH, por exemplo, divulga que cada real a mais no salário mínimo, representava uma despesa de 300 milhões anuais para o governo. Bem, mesmo considerando que 300 milhões não é muita coisa nesta gastança brutal que temos, seriam 300 milhões a mais circulando na economia. O governo tiraria, de cara, uns 40% disso na forma de impostos. Outro tanto iria para os cofres da previdência, dos sindicatos... Por que não fazer as contas corretamente, com todos os detalhes? Que contabilidade é essa, que só tem saída? No caso dos salários dos deputados, dos ministros, isso não é um problema. O povo fica sabendo que um ministro não trabalha por meros oito mil reais (com casa, comida, transporte, telefone, luz, tudo pago pelo governo...) enquanto ele precisa sustentar sua família com 545 reais? E ainda fica sabendo que 15 reais a mais deixaria o governo na penúria?

Bem, o povo escolheu este governo, sabia da sua competência para manter o salário baixo. Se quisesse 600 reais, teria votado no outro candidato. Como ele faria? Bem, se cortasse - de verdade - carne, isso seria possível. Na verdade, não é preciso cortar na carne. O Brasil precisa, simplesmente, cortar a gordura que se encontra nos 37 ministérios, nas dezenas de milhares de "assessores" especiais, nas obras desnecessárias ou superfaturadas, nos cartões corporativos, na sacanagem! Cortando isso, e apenas isso, o mínimo não seria o máximo, mas poderia ser bem melhor. Este governo optou por fazer o corte na carne mais magra, na carne do trabalhador.

6 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Popa, copio e colo aqui o que coloquei no depósito.

Juro que não tive saco de assitir a esse debate sobre o mínimo, mas torci pelo êxito da proposta do governo Dilma. O mínimo será de R$ 545,00, porque esse é o valor que fecha as contas. A oposição queria R$ 600,00 e os sindicalistas algo em torno de R$ 560,00.
Quando a oposição foi governo ela sempre conseguiu aprovar um mínimo que "fechasse as contas, tal como faz hoje o governo Dilma do PT. E sempre foi assim, o resto é demagogia.

A diferença é que o PT é muito mais competente quando faz oposição, porque ele abre a boca, faz alarde, diz que os trabalhadores estão sendo explorados, que é um absurdo, que o capitalismo e o neoliberalismo estão levando o Brasil à bancarrota e otras cositas más. E o povo incauto acreditou nas promessas do PT que governa o Brasil há 3 mandatos.

E ontem assisti na TV o Senador Álvaro Dias, do PSDB do Paraná, com seus botox e cabelos pintados (impressionante como têm pessoas com dificuldade de aceitar a natural velhice) fazendo o mesmo discurso que os barbudos do PT sempre fizeram. Só que Álvaro Dias não convence.

Quem sabe fazer oposição no Brasil é o PT. Eles são profissionais nessa arte.

Anônimo disse...

Fala sério, para que tantos ministérios? No tempo do FHC eram 13 ministérios e a coisa funcionava. Quantos CCs existem no governo federal?

PoPa disse...

Meninos, a gastança do governo não foi afetada neste ano. Tudo continua igual, se não pior, vejam o salário do legislativo e do executivo que foram majorados muito acima da inflação do período de referência. O governo está segurando a correção da tabela do IR, está querendo aumentar o IOF das compras em cartões internacionais, tem aviãozinho novo na parada (sem essa que é sem custo!!!! não existe almoço grátis) e por aí vai.

Não vi, em nenhum momento, alguém do executivo falar em corte de verdade. Cortar a gordura que foi colocada ali é molinho. Tem é que cortar com o orçamento anterior como referência e isso não foi feito. Ela cancelou os cartões corporativos? Reduziu o número de CGs? Cortou projetos mirabolantes (tipo o trem bala)? Se não fez nada ou quase nada disso, não cortou na carne. Apenas aparou um pouco da gordura que tem nesse inflado governo, que só sabe gastar, sem nada produzir.

E, sim, não temos oposição. Porque a maioria dos nossos políticos são uns babacas de esquerda e dentro do "politicamente correto", mesmo que isso signifique levar o País para um buraco...

Moita disse...

PoPa

É sempre um prazer renovado quando posso vir aqui.

O Lula com sua megalomania e desejo de ser querido pelo povo tanto quanto o Getúlio, gastou tudo.
Criou uma "Ruma", como se diz aqui no Nordeste, de Ministérios desnecessários só pra botar filidos do PT, sabendo que cada filiado deixa 17% do salário que recebe do0 governo na conta do PT.

Eu disse: do Governo, se ele recebe de outra fonte não tem obrigação dos 17%.

O resumo dessa ópera é que a herança maldita que o Lula disse haver recebido do FHC, de fato, é a que ele ta deixando pra Dilma.

Ele fez tudo pra voltar como quase ditador. Tal qual Getúlio. O tempo e a história me desmintirão. Espero ansiosamente por isso. rssssssssss

Moita disse...

Ou seja: ser desmintido pela história. rssss

CINEMAN disse...

A estratégia do Pt é uma coisa admirável. Quando na oposição metem o pau em tudo que a situação faz. No governo fazem a mesma coisa e a oposição constrangida, afinal o governo está fazendo as mesmas coisas que a oposição fazia, não tem como fazer oposição. Coisa de gênio.