quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Rapidinho II

O PoPa leu, estarrecido, no Estadão: BRASÍLIA - A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta quinta-feira, 25, que o empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que o presidente do Equador, Rafael Correa, ameaçou suspender o pagamento foi feito para a construtora brasileira Norberto Odebrecht, e não para o governo equatoriano. A disputa jurídica entre a empresa e Quito ganhou contornos de uma crise bilateral entre Brasil e Equador, depois que o presidente declarou que analisava a possibilidade de não pagar os US$ 243 milhões concedido banco.

Como? A empreiteira pegou a grana no nome do governo do Equador???? Bem, é verdade que o BNDES financia empresas brasileiras para produzir algo para vender para o exterior. Mas este financiamento funciona como um capital de giro que deve ser devolvido tão logo a obra ou o equipamento estiver montado e funcionando. O financiamento que o aprendiz quer dar calote é - sem sombra de dúvidas - do governo do Equador. Agora, qual o interesse de Dilma em dar este tipo de declaração? Por que não foi um diretor do BNDES? Agora, só falta o Marco Aurélio dizer que a diplomacia exige que se respeite as decisões de outro governo, bla, bla, bla

Ora, se o financiamento está no nome da Odebrecht, até que o cara está certo em não pagar. Por que iria pagar as contas dos outros?

Como previsto, estão preparando o golpe...

Um comentário:

CINEMAN disse...

Mas se o empréstimo é da Odebrecht porque que o equatoriano falou que não ia pagar? Estão preparando a desculpa. Já viram que vão levar o calote do Equador e, portanto, o empréstimo não era para eles. É na mesma linha do "eu não sabia de nada"