segunda-feira, 1 de novembro de 2010

E o que muda?

Bem, o Pampa está bem representado no governo estadual. Temos a probabilidade de que o ex-prefeito de Bagé seja o secretário da agricultura. Mainardi é um cara equilibrado, conhecedor dos problemas de nossa região e não é um adepto ferrenho do estilo de assentamento proposto e efetivado desde os tempos de FHC. Mainardi também é um defensor da pecuária ovina para produção de carne, uma das atividades que o PoPa acredita serem possíveis de auxiliar na transformação da Metade Sul do RS, juntamente com a fruticultura, o florestamento e a produção de olerícolas, atividades que podem ser conduzidas em propriedades de qualquer porte, que demandam tecnologia e que apresentam excelentes resultados.

O governador eleito também está anunciando uma secretaria especial para a Metade Sul, nos moldes da que já existia em governos anteriores e que teve, no governo Olívio, a presença do atual reitor da FURG e uma boa equipe. Mais não fizeram por culpa da própria região, que ainda não estava preparada para isso. De qualquer maneira, algum tipo de reflexo aquelas ações, iniciadas no governo Britto, tiveram. Hoje, a fruticultura é uma realidade em expansão e o florestamento está se firmando. As outras atividades preconizadas pelo PoPa ainda são incipientes, mas deverão ter destaque. Quem sabe com o governo do Estado alinhado com o governo federal, não reeditamos o Reconversul?

5 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Já falei isso mil vezes, mas estou gostando dos primeiros acordes do Tarso Genro. Assis Brasil, Mauro Knijnik, o próprio Mainardi são bons nomes e alinhado com Dilma que pode dar uma graninha extra ao Rs, ele pode fazer um bom governo. Tarso não é Olívio e isso é bom.

charlie foxtrot disse...

Eu adoro teu otimismo, amigão!
hehe

CINEMAN disse...

Com o Tarso eu sempre tenho um pé atras. É a velha história do escorpião, no meio do rio a genética petista prevalece. Tomara que eu me engane, pelo bem do estado.

CINEMAN disse...

Mais Tarso. Um dia, numa das primeiras reuniões do governo do PT na prefeitura de Porto Alegre, a discussão era - o que fazer? Naquela época o PT era especialista em fazer oposição e não tinha se preparado para ocupar o poder. (De certa forma ainda faz a mesma coisa). Na reunião, um dos funcionários da prefeitura, PT de coração, trouxe para a reunião uma proposta - Fazer em Porto Alegre o que Bernardo de Souza havia feito como prefeito em Pelotas. Qualquer coisa como O Poder Emana do Povo, que consistia em criar comissões nas comunidades para discutir os problemas da cidade e definir onde aplicar os recursos. Basicamente o que depois se chamou Orçamento Participativo. Tarso estava na reunião, descartou a idéia. Pouco tempo depois, para surpresa do meu amigo e dos demais participantes da reunião, surgiu o Orçamento Participativo, cria do Tarso e baseado, como vocês sabem nas "comunas francesas".
Posso confiar neste cara? Eu concordo que os primeiros nomes do secretariado são muito bons, mas vamos esperar. Composição é o estilo Lula. Tarso deve ter aprendido porque viu que o estilo Olivio não durou um mandato. Mas não se esqueçam que já está ai o Conselhão. O que vai sair dai? Lembrem que não temos nenhuma Veja por aqui, nossa imprensa é a RBS.

PoPa disse...

O RS está em uma situação complicada, porque não tem líderes decentes que possam se candidatar na próxima, ainda. Pode ser que eles tenham aprendido alguma coisa, também...