sexta-feira, 28 de novembro de 2008

IMPREVIDÊNCIA

O PoPa tem acompanhado, com apreensão, a discussão dos projetos do Senador Paim (pt). Este senador é um batalhador do aposentado e apresentou alguns projetos que nem deveriam ser apresentados, pois deveriam ser a ação natural do governo: conceder aposentadoria de acordo com o que o trabalhador pagou durante toda sua vida e conceder aumentos iguais aos do salário mínimo, pelo menos. A previdência brasileira funciona de maneira muito esquisita. Um trabalhador que pague durante toda sua vida uma contribuição sobre dez salários, por exemplo, ao se aposentar ganha algo em torno de sete. Ao longo do tempo, este valor vai caindo até dois, três salários mensais.

Diz-se que as propostas de Paim iriam quebrar a previdência. Mas não se diz que este - e outros anteriores - governo dá aposentadorias para quem não contribuiu nunca! Tudo bem, o PoPa aceita que se faça este tipo de assistencialismo, mas não com o dinheiro da previdência, com o dinheiro daquele que pagou durante toda sua vida. Que faça isto com dinheiro do orçamento, devidamente informado para a população. E que se segure o roubo que rola solto neste sistema atual. É preciso que se diga que o trabalhador paga 20% de seu salário para a previdência e não apenas oito! O que o empregador paga, é custo que poderia estar em seu salário, logo, é seu dinheiro! Com 20% do salário tungado todos os meses, o trabalhador bem que mereceria uma aposentadoria decente!

Mais, com o crescimento da população, dois problemas aparecem: As vagas que são mantidas por trabalhadores que poderiam estar aposentados - mas não o fazem porque perderiam recursos para sua sobrevivência - não são ocupadas por jovens que chegam ao mercado de trabalho. E quando acontece a desgraça de perder sua vaga após uma certa idade, o trabalhador não poderá se aposentar mais, pois não terá acesso ao emprego...

Este é um país duro, insensível e cego aos anseios de uma classe que deu sua vida para mantê-lo. Melhor dar dinheiro à rodo, sem retorno prático nenhum, a não ser o voto cabrestado.

2 comentários:

Anônimo disse...

É. Assistencialismo é foda. O mais surpreendente é que os gringos pretendem fazer uma experiência latino-americana em seu próprio país.

A estupidez humana desconhece limites.

lailols disse...

As vezes eu procuro entender porque o Paim gosta tanto do PT e dos companheiros já que ele apresenta uns projetos nada petistas.