quinta-feira, 20 de maio de 2010

O calvário de um prefeito em Brasília

Essa é a vergonha nacional. Duplicada, pois além desta burocrática jornada, a verdade foi proibida de ser veiculada em uma sabatina com os presidenciáveis. E justamente pela candidata do cara.

Como diria aquela guriazinha no show do Restart: é uma puta falta de sacanagem!

Mas, como toda bobagem política, ao não deixar os prefeitos assistirem ao tal vídeo - que nenhuma novidade tem para eles - os censores conseguiram um feito: o vídeo está sendo divulgado pelo País inteiro, para que todos saibam como funciona a maratona burocrática de prefeitos de prato na mão para conseguir verbas que pertencem ao povo e não ao governo federal. E, de quebra, sabe como opera o seu deputado "representante" em Brasília

6 comentários:

Lua Nua disse...

Pobre Brasil... Passei aqui pra me atualizar. Bjs

Anônimo disse...

por que o prefeito está com um pires e não um projeto bem feito?

PoPa disse...

Essa é uma situação interessante, anônimo. Não adiante ter um bom projeto, sem ter que "passar o pires", já que ele vai depender da "boa vontade" de políticos e burocratas para ter seu projeto aprovado...

Não é de hoje esta situação. Faz parte da falha federativa que vivemos, onde se concentram praticamente todos os recursos no governo federal e este determina para onde vão. Independente de bons ou maus projetos...

PoPa disse...

Bom te ver por aqui, Lua! bjs

PoPa disse...

outra coisa interessante que pode ser que a maioria não saiba. Projetos para conseguir verbas não são exatamente projetos... o prefeito pode ter um projeto para fazer o saneamento de uma região, por exemplo. Ele tem o projeto de engenharia, tem a aprovação ambiental e tudo mais, mas para conseguir a verba, ele precisa fazer um calhamaço de documentos que chamam de projeto, incluindo preencher formulários bem complicados, cujo conhecimento é fundamental para conseguir concluir. Uma prefeitura de cidade pequena não tem ninguém que consiga fazer isto e acabam caindo nas mãos de "consultores" ou assessores de deputados, que atuam como "facilitadores". Coisa complicada, não é mesmo?

charlie foxtrot disse...

O Brasil é um país enorme, com todas as enormes dificuldades que isso acarreta. A centralização em um país deste tamanho é a pior alternativa possível, mas, bom, serve bem aos propósitos daqueles que nos governam.

Uma das formas de melhorar o país seria autonomia administrativa e financeira dos estados membros, coisa que só poderia se tornar realidade com a mais sangrenta das guerras.