quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Pastéis de beira de estrada.

Pois em suas andanças pelo Pampa, o velho PoPa já experimentou tudo que é tipo de comida. E começou a pensar nas melhores e piores de cada "categoria"...

Pastéis, por exemplo. Em Pantano Grande (assim mesmo, sem acento), existe um restaurante que serve um enorme pastel de carne, absolutamente fantástico. Deve ter umas 300 gramas de recheio, uma massa crocante e é enorme, suficiente para uma refeição completa! Pelo sucesso que ele tem entre os frequentadores, a certeza de que está sempre novinho e quente, servido na portinhola da cozinha. Este é um pastel nota 10, com certeza. O nome estranho do restaurante: Raabelândia.

No outro lado desta culinária viajeira, temos o pastel do posto de gasolina na entrada de Candiota. Sempre frio, mole e velho... claro que o PoPa comeu apenas uma vez e não passou da primeira mordida, por ser incrivelmente ruim. Ao passar por ali, em outra oportunidade, o companheiro de viagem do PoPa queria comer um pastel. Como não bastou a recomendação negativa, o PoPa perguntou a um camioneiro que estava comendo o tal pastel na frente do balcão: 'Como está o pastel, amigo'? 'Ruim'! Tentando desviar um pouco o assunto, já que a atendente ficou olhando um pouco pasmada, o PoPa arrematou: 'mas claro que deves ter comido algum pior por aí'! 'Nunca', foi a resposta, 'e olha que já comi muita coisa ruim pelo Brasil afora'!

Bem, aí estão duas sugestões aos viajantes do Pampa Gaúcho. Onde comer e onde não comer pastéis...

Pastéis são como políticos. Podem até enganar meio de longe, quando não se nota a superfície sebosa, molenga e repugnante. Se o observador não está atento a estes detalhes, o recheio vai indicar do que realmente são feitos. Mas, como existem bons pastéis, devem existir bons políticos. Ambos são difíceis de encontrar e estragam facilmente.

5 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Geralmente os pastéis de beira de estrada são bons. Ontem estive em Rio Grande e comi um bom pastel na entrada de Pelotas,ali onde se vendem os famosos Doces de Pelotas. Bem recheado e com ovo. Quanto aos políticos é bem difícil encontrar um razoável. Essa é a diferença.

Anônimo disse...

Gostei do irmão caminhoneiro e sua não muito sutil honestidade. hehe

augusto disse...

Esse de Candiota eu já comi algumas vezes e é sempre desse jeito. Mas não foi o pior pastel que comi na vida, se bem que não lembro do pior pastel que comi na vida.

PoPa disse...

provavelmente não foi tão ruim, porque deves ter passado no dia em que eles fritaram ou trocaram o óleo da fritadeira.

CINEMAN disse...

Já passei pelas duas experiências. Hoje, por coincidência, passei em Pantano Grande e comi um pastel de queijo que continua uma maravilha, apesar da modernização do local. O tal buteco de Candiota é realmente terrível. Só estive lá uma vez e nunca mais.
Acrescento o pastel de carne da Casa do Mel no final da Canoas - Tabai (ou no inicio da Tabai-Canoas) que é muito bom