quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Campanha da Fraternidade - era só o que faltava!

O PoPa tem ficado sem falar muita coisas por estes dias. Nada a ver com o feriadão do Carnaval, apenas a pura e simples falta de vontade de escrever as mesmas coisas todo dia. Afinal, estepaís é pleno de bobagens, políticas ou não, e o PoPa acabou ficando de saco cheio de tentar entender a mentalidade boçal da esquerda brasileira.

Mas a igreja católica fazer uma campanha da fraternidade contra o lucro e o agronegócio, foi demais! E o bispo de Rio Grande ainda ressalta a mentira de que a maioria dos nossos alimentos vem dos pequenos agricultores e não da agricultura empresarial. E complementa: "os cristão não são marxistas, mas aprendemos com Marx que depois da dignidade da pessoa, temos que ser a favor do trabalho, que deve vir antes do lucro. Não somos contra o lucro, mas tem que ser um lucro que não explore"...

Tu és um pequeno empresário que está patinando de tanto pagar imposto, que deveria ser aplicado na melhoria da vida das pessoas? Vá se queixar para o Bispo!

Esta campanha da fraternidade bem que poderia ser contra o excesso de impostos, contra o excesso da máquina pública. Mas eles aprenderam com Marx...

Imagem: da campanha

4 comentários:

charlie disse...

É um espetáculo! Nosso país consegue produzir todo tipo de idiotice, inclusive uma muito improvável criatura metade comunista, metade religiosa.

blaise2 disse...

Qual a surpresa?De mentiras eles entendem,vivem dela há mais de dois anos.

A Campanha deveria ter como tema a pedofilia e como título"Lista dos 400 da Igreja"

Segunda-feira, Fevereiro 15, 2010


SANTOS PADRES PEDERASTAS


Leio no El País: El secretario de Estado del Vaticano, el cardenal Tarcisio Bertone, ha dicho hoy que es necesario que los curas pederastas "reconozcan sus culpas, ya que de las pruebas puede llegar la renovación interior".

Após dez anos de trabalho, uma comissão produziu o Informe Ryan, segundo o qual 400 religiosos e uma centena de seculares abusaram sexualmente de 25 mil crianças pobres nas escolas da Irlanda durante quase 70 anos. Um segundo relatório, o chamado Informe Murphy, revelou que 46 sacerdotes da arquidiocese de Dublim violentaram 400 crianças entre 1975 e 2004. A hierarquia católica, com o apoio do governo irlandês, encobriu sistematicamente o escândalo. Até hoje não foi divulgado o nome dos religiosos envolvidos. Em vez de informar as autoridades, a Igreja transferia seus padres de uma paróquia a outra, onde podiam variar o cardápio. Tudo isto com a generosa complacência do Vaticano.

Antes de ir adiante, por que “pederastas”? Universalmente, pederastia é sinônimo de homossexualismo masculino. No caso, os abusos ocorreram tanto entre pessoas do mesmo sexo como de sexos diferentes. Ocorre que, em espanhol, pedo nada tem a ver com crianças ou com sexo. Então, pederastia.

Ainda segundo o jornal espanhol, para a Igreja Católica o escândalo saiu barato em termos materiais: concorreu apenas com 10% dos 1,2 bilhões de euros determinados pela República da Irlanda como indenização a 12.500 vítimas, graças a um generoso e suspeito pacto assinado em 2002, segundo o qual 300 milhões de euros seriam suficientes para indenizar todos os homens e mulheres vítimas daqueles abusos quando eram crianças.

Ou seja, apesar de a igreja irlandesa ter montado um bordel particular para uso de seus ministros, até hoje padre nenhum foi punido e ninguém conhece a identidade dos criminosos. Divertida vida sexual que lei nenhuma limita. Os abusos continuariam ainda hoje, agora tendo como vítimas filhos de imigrantes. Voltemos à declaração do secretário de Estado do Vaticano, feita hoje pela manhã, durante missa celebrada nas Grutas Vaticanas.

"As provações mais duras e humilhantes para a Igreja são as que provém de seu interior, sobretudo quando vê implicados algum de seus membros em atos execráveis. Mas das provações pode vir a renovação, desde que o pecador reconheça suas próprias culpas”. Segundo o nº 2 do Vaticano, as tormentas dão medo, mas é através delas, pela graça de Deus, que se pode chegar à graça da conversão e a uma fé maior.

A legislação tipifica pedofilia como crime? Para o Vaticano a lei secular não interessa. A Igreja não lida com o conceito de crime. E sim com a noção mais sutil – e confortável – de pecado. Para o cardeal Bertone, a questão é simples. Basta que os “curas pederastas” reconheçam suas culpas, para que possam chegar à renovação interior. Para a Igreja sempre foi simples. Uma confissão, arrependimento sincero, um ato de contrição, dez pais-nossos e 50 ave-marias, e vai, filho. Todos os pecados te são perdoados.

Quanto aos padres pederastas, pelo que se deduz das declarações do cardeal, me parece que devem ser canonizados. Afinal, seus abusos são instrumentos da graça divina para se chegar à conversão e a uma fé maior. Que declinem seus nomes, por favor, para que a cristandade possa cultuá-los como santos.


fonte:Janer Cristaldo/http://cristaldo.blogspot.com/

blaise2 disse...

delas*

José de Araújo Madeiro disse...

PoPa,

Por isto não estou indo á Igreja.

Pra que? Ver um padre pedófilo, defendendo o marxismo e o aborto, conforme o PNDH-3 da Dilma? E ainda querer que nós paguemos o dízimo? È querer nos gazer de burros, trabalhando contra nós!

Agora eles, esse padres polítiqueiros, não veem que os bancos no ano passado tiverem de 24% de lucro. São os banqueiros investindo na especulação, não na produção e até com dinheiro da poupança e das contas correntes do clientes, obtendo esses lucros astronômicos, retirado do setor produtivo e da população.

Lula é um marxista, envolvido com banqueiros, especuladores e politicalha da corrupção, massacrando a classe média, a livre iniciativa e dando esmolas para o povão, através das bolsas diversas transformadas em compra de votos, para manutenção do status quo e o Brasil se tornar um país sem futuro. Especuladores nadando em dinheiro, classe mmédia proletarizada e o povão na mesma, mas servindo de bode expiatório.

E o pior são esses padres marxistas, misturando cristianismo com utopia marxista, com a politicalha de quinta categoria, dessa esquerda escocesa, do poder oetralha.

Não vou deixar de ser católico, mas por esses fatos que eles não reagem, eu sou que não quero papos com esses padrecos inexpressivos e sem eles quiserem o dízimo para sua sobrevivência, que vão pedir a Lula e demais especuladores da conjuntura do momento.

Att. Madeiro