terça-feira, 20 de setembro de 2011

Bolsonaro e a versão da imprensa

A internet tem muita coisa boa. Tirando receitas estranhas de sanduiche com maionese, alguns filmes colocam a realidade e não a versão divulgada pela imprensa. Veja o vídeo acima e compara com as versões dos jornais e blogs que tem lado e fingem estar com a verdade. Bolsonaro está no meio de um pequeno bando de estudantes raivosos e, em nenhum momento, os agride ou sai correndo. Ao contrário, ele fica ouvindo as bobagens ditas por alguns. Coisas como assassino (ele matou alguém?), racista (ele é casado com uma afrodescendente!) e coisas do gênero. Sim, ele não gosta da idéia de que gays tem que ter tratamento diferenciado (todos são iguais perante a lei, não é?) e luta para que a sociedade seja ouvida em sua plenitude e não por alguns manifestantes barulhentos.

E ele tem coragem de ir a uma universidade e dizer isso. E enfrentar as reações raivosas, calmamente. Ao contrário do que a imprensa publicou, ele não fugiu, não afastou-se da turba e saiu em uma viatura. Provavelmente, teria seu próprio carro depredado se o utilizasse. Fez bem, apesar da presença da PM, não provocou os manifestantes.

Caso o vídeo não apareça, aqui está o link: http://www.youtube.com/watch?v=v4Ra3c7zU2w&feature=youtu.be

2 comentários:

CINEMAN disse...

Caro PoPa, quando eramos estudantes nós faziamos coisas parecidas. Ainda bem que ninguem filmou..

PoPa disse...

Tipo, rasgar jornal em cima de uma pilha de lenha na frente da redação? É, acho que sim, mas também havia uma certa dose de respeito pelo próximo, pelo menos enquanto ele estivesse próximo!
E também uma coerência. Chamar o cara de assassino é meio fora do contexto. Nós chamaríamos de filhote da ditadura ou algo do gênero. Aquilo que o Sarney foi por muito tempo.