sábado, 2 de junho de 2012

Parabens, Reinaldo Azevedo - Seis anos de blog na Veja!

Quando um blog chega aos seis anos com um conteúdo que já rendeu dois livros e está no prelo com um terceiro, temos que dar o devido crédito. É um blog com leitores.

Se este mesmo blog acumula milhares de leitores diariamente (entre 100 e 150 mil, chegando a picos de mais de 200.000) não dá para dizer que é um blog parcial e tendencioso. Leitores podem suportar pequenos deslizes mas não o tempo todo e o abandonariam, certamente, não fosse cioso da verdade e muito bem escrito. É preciso que se tenha em mente, no entanto, que jornalistas de opinião são... jornalista de opinião! Eles precisam apresentar aos seus leitores, sua posição social e política. E até religiosa. E isso não é ser tendencioso, é ter opinião, defendê-la, e não desviar dependendo dos ventos sociais e políticos.

Se este mesmo blog acumula milhões de comentários podemos afirmar que ele é um polemista mas que também desperta, em seus leitores, o desejo de reafirmar o que foi dito ou de contestar, dentro de parâmetros civilizados, o que lá está  registrado.

Se um jornalista (detesto o termo blogueiro) escreve textos quilométricos em um espaço da internet e, mesmo assim, consegue leitores, é um espanto que deveria fazer parte de algum tema acadêmico. O PoPa gosta, particularmente, de saborear as preciosidades linguísticas do escriba. Muitas vezes, relê o mesmo texto para perceber a minúcia, o detalhe, a perfeição do português, tão espancado por tantos jornalistas nestes dias complicados.

Quando um presidente orgulha-se de não ter estudado e declara não ler livro algum, a pátria culta perde um pouco de seu conteúdo. Quando políticos de várias origens não se importam em falar errado, podemos atribuir ao despreparo de sua formação escolar. No entanto, quando jornalistas não têm apreço ao falar corretamente, quando não prestam atenção aos que vai ser lido e absorvido pelos seus leitores, então temos um problema muito sério. Se é para ter controle da mídia, que se faça um controle linguístico, proibindo-se textos mal escritos. Que tal um controle como os que eram feitos nos jornais de antigamente, com severos códigos de ética e com revisores rígidos que não deixavam passar bobagens, ilegalidades e erros grosseiros?

O PoPa não tem esta obrigação de escrever bem e correto. Com pouco mais de dez leitores em cada um dos seus textos, a responsabilidade é bem menor! Mas, mesmo assim, tem o cuidado de não espancar a língua madre!

3 comentários:

Vindo dos Pampas disse...

Tri legal.
Parabéns pra ti também PoPa, por esta homenagem a este icone da informação.
Abs.

Anônimo disse...

Popa, não se deprecie. você também faz a sua parte na luta sem tréguas pelos valores democráticos.

PoPa disse...

Obrigado, Vindo dos Pampas e obrigado também, anônimo. Mas esta luta está cada vez mais difícil de ser travada. Estes valores praticamente já não existem no meio político e está desaparecendo entre a população também...