terça-feira, 31 de julho de 2007

Cotas & Cotas

Gostem ou não os defensores das cotas nas universidades, o sistema abriu uma brecha perigosa. A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), criou um sistema que é um verdadeiro ataque ao bom senso:

Criação de uma classe "especial" de veterinária, onde:

Não há vestibular;
Os estudantes serão escolhidos entre os assentados da região (não vale acampados, não vale pequenos produtores ou seus filhos);
Quem vai dizer quais são os beneficiados? Os movimentos sociais (leia-se MST) e o Incra;
Quem serão os professores? Convidados pelo Incra e pelo "movimento", sem concurso público;
Quem vai coordenar o curso e dar os parâmetros pedagógicos? O Incra, o MST e a UFPel.

Em tempo: praticamente não há negros ou índios nos assentamentos...

Gostaram dessa?

Felizmente, nem tudo está perdido, pois o Procurador da República entrou com uma ação pública contra o ato da UFPel, cujo Conselho Universitário aprovou esta aberração por 36 votos favoráveis e 20 contra. O Incra irá construir um espaço especial para a turma especial, largando alguma grana para a UFPel.

Imagem:
Sd VALDECI DE ABREU LOPES
, Matrícula 13757369
Nascimento: 11 Ago 62
Natural de VIAMÃO/RS
Data de inclusão na BM: 07 Abr 83

No dia 08 Ago 90, encerrava-se de forma trágica sua carreira Policial Militar, quando no atendimento de uma ocorrência envolvendo colonos integrantes do MST (Movimento dos Sem Terra) no cruzamento das Av Borges de Medeiros com Rua dos Andradas, conhecida como "Esquina Democrática". O Sd VALDECI, que estava sozinho em seu posto de serviço, foi cercado por vários integrantes do movimento e atingido por um golpe de foice desferido por um dos colonos que lhe atingiu o pescoço, tendo sido socorrido pelo Sr. DANIEL TAVARES e levado ao
Hospital de Pronto Socorro, onde veio a falecer. Seus agressores buscaram refúgio no interior do prédio da Prefeitura Municipal, local onde foram presos e, após processados, foram condenados. O Sd VALDECI foi homenageado sendo destinado seu nome ao largo compreendido pelo cruzamento das Av Ipiranga com Av Silva Só, local onde foi erguido um monumento em sua memória.

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Direito de reclamar!

Enfim, uma luz no fim do túnel. A sociedade brasileira começa a achar seus caminhos e começa a - timidamente, é verdade - criticar o feudo governista e seu séquito. É o início de uma nova era (hehe, exagero, claro!) da democracia da maioria.

o PP lê Reinaldo Azevedo e Diogo Mainardi. Gente que sabe o que escreve e escreve bem. O PP não critica escritores de outros caminhos, apenas elogia os que gosta.

Leiam Reinaldo:

Estamos diante de um evento interessantíssimo. Lula foi vaiado duas vezes no Maracanã, em presença e em ausência. Vocês se lembram: havida a primeira manifestação, no dia seguinte, os jornais traziam os “politicólogos” analisando: “Isso não é pesquisa de opinião; era a classe média que estava no estádio”. Agora, seis mil pessoas protestam em São Paulo, e a pecha logo ganha o noticiário: é coisa de João Dória Jr., dos riquinhos de Campos de Jordão. Como se vê, qualquer ato de protesto contra Lula só tem validade se for protagonizado por gente que seja simpática a... Lula! Parece piada. Se os seis mil que foram à rua tivessem a carteirinha do partido, então alguém se lembraria de dizer que Lula não cumpriu suas promessas; que o seu governo tem sido de mera continuidade; que as utopias de um outro país se perderam. E por aí afora.

Leia o restante no blog do Reinaldo Azevedo (O cordão dos puxa-sacos)

Ontem e hoje

Ontem (2002):

A CUT combate o projeto (flexibilização da CLT) com vigor porque está 100% certa de que ele abrirá janelas para que os trabalhadores percam conquistas históricas, nascidas no governo de Getúlio Vargas. Contudo, a cúpula da entidade reconhece que sua posição também pode render votos aos candidatos da oposição. ‘‘Na medida em que a franca maioria do povo entender que as mudanças na CLT são ruins, levarão vantagens nas urnas líderes populares que são contra essa farsa, como o Lula, Ciro Gomes e Garotinho’’, comenta João Felício.

Hoje (julho/2007):

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou, durante discurso no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), as discussões sobre reforma trabalhista. Segundo o presidente não é possível continuar, de uma lado, os empresários querendo rasgar a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e fazer tudo de novo, e do outro, os sindicalistas querendo manter a CLT e querendo acrescentar algo mais nela.

"Não dá acordo", afirmou Lula, acrescentando que não é possível que o ex-presidente Getúlio Vargas tenha tido a onipotência de, em 1940, fazer uma lei que permanece até hoje, sem nenhuma mudança. Lula disse que é preciso trazer a legislação trabalhista para a realidade atual, principalmente em função das mudanças ocorridas no setor de serviços. "Não temos que ter medo de discutir qualquer reforma", afirmou o presidente, lembrando que o Fórum da Previdência está discutindo mudanças na legislação. "Não sei onde vai dar, mas vai dar em alguma coisa", afirmou. (agencia Estado)

PP: Segundo a ZH de hoje, o acordo entre governo e oposição diz para não falar em "flexibilização". Ok! Vai dar alguma coisa... papo sério de governo, não?

domingo, 29 de julho de 2007

The entire city of millions and millions is all slums

No site da Folha, tem a tradução deste blog, mas o interessante é saber que o brio nacional reage tão bem às críticas externas, mesmo quando feitas por uma jovem que só conhece a riqueza e a boa vida, mas não reage quando este estado de coisas é causado por pura inanição popular, incompetência e corrupção dos dirigentes! Ou ela fala alguma coisa errada? Aliás, ela fala muito bem do povo, da hospitalidade. Ela reclama da comida da vila olímpica e diz que a cidade está cercada de favelas. Ela não critica nada que não viu. Não fala do governo, nem do caos aéreo. Mas como negar que o Rio é uma cidade cercada de favelas, com prostituição, drogas e jogo em toda a sua extensão, Copacabana incluída? O Pan estava relativamente seguro pela grande quantidade de policiais (não do FBI, claro) e porque os traficantes não quiseram dar espetáculo, por conveniência. E ela ainda cita a hospitalidade brasileira, as poucas (de acordo com ela) vaias. E não se queixa de que houveram, sim, vaias à delegação americana.

Portanto, aqui vai a solidariedade do PP com a menina, que teve seu blog invadido por imbecis brasileiros (a maioria dizendo bobagens em português, provavelmente sem ler o que ela escreveu...). O PP dá toda razão à ela, de que aqui somos uma republiqueta repleta de idiotas (isso ela não disse, mas deveria!)


Sunday, July 15, 2007
Hello from Rio and the Pan Ams!

I really thought I would have much more free time to write and email, but we have been on the go since our arrival. I am going to apologize right now for my writing because I have little time to whip this out but I wanted to give you a quick update.

First, things here are CRAZY!!! You have nothing to worry about with our safety because there are 15,000 police, undercover FBI agents, Secret Service agents, etc that are all over the place. We have police escorts and have to go through screening everywhere. Besides that, this place is the poorest place I have ever seen. It is really sad. Copacabana, where we play, is the nicest of everything I have seen.

The entire city of millions and millions is all slums. The rivers run black. There are dead cows along the edge of it that look like they are covered in tar. Then there are pigs and other animals that go drink out of it. It is terrible.

Opening Ceremonies were incredible. They were held in the soccer stadium which seats 100,000+ and it was PACKED. The show was incredible. Walking through the parade of athletes was really cool. The brazillian people are so energetic and were really into it. They are so proud to be the host of these games. There were a few boos, but mostly cheering and waving to us. Definitely something to remember.

Our villiage is nice. It was built especially for the games. The apartments where we live will be sold to the richest of Rio after we leave. But to get perspective, they are the most basic of the basic. There are NO luxeries here.

The food situation is interesting. We were told that we would be fed great food, approved by a sports nutritionist. I am shocked at what the other athletes from other countries eat. Lots of fench fries, hotdogs, tons of bread, and desserts like you wouldn't believe. Many of the athletes do not look like athletes. I am surviving on oatmeal, papaya, and powdered eggs for breakfast... Lunch is by far the best meal of the day with black beans and rice with chicken and broccoli. Dinner on the other hand, no protein to be found... I have been eating the brown wilted lettuce with tomato and olive oil. There isn't much other choice. It is a struggle to find good food. Brooke and I were almost in a panic the first breakfast and dinner when we searched and searched for something we could eat.

We start competition tomorrow (Monday, the 16th.) Our venue is incredible. It is larger than an AVP stadium and has been sold out for months! It is by far the best venue of the games. We find out today what our schedule will be and who we will play. Other than that, we have been on the go constantly. It takes over an hour by bus to get to our site. Yesterday we did a double day so we spent 4+ hours in a bus. Today we only have 1 practice so only 2 hours on the bus. Thank goodness. They definitely keep us busy.

By the way, you can watch us on ESPN2 or one of the ESPN channels! If you don't have it and want to buy it, it is supposed to be cheap!

Hopefully I can post more later. Be sure to follow our progress which will be posted at http://usocpressbox.org.

Angie

Posted by Angie Akers at 7:31 AM

Imagem: favela da Rocinha (baixaki.com.br). Você não fica apreensivo vendo uma imagem destas?

Sacanagem!

Diante da possibilidade de ver diversos atletas desertarem após o fim dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, neste domingo, o governo cubano decidiu antecipar em um dia a saída da delegação do país da Vila Pan-Americana, informou na noite deste sábado a TV Globo.


Diante dessa orientação, Cuba não compareceu ao pódio do torneio masculino de vôlei, modalidade em que conquistou a medalha de bronze, e também não irá participar da Cerimônia de Encerramento dos Jogos, que acontece no domingo. Seis ônibus e dois caminhões levaram aproximadamente 220 atletas e seus pertences para o aeroporto do Galeão na noite deste sábado. Restam poucos atletas da delegação cubana na Vila Panamericana.

Durante a competição, Cuba teve quatro casos de deserção. Inicialmente, Rafael Capote, da seleção de handebol, abandonou a Vila Pan-Americana e foi abrigado por um amigo, residente no ABC Paulista.

Além deste, os boxeadores Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara ainda têm paradeiro incerto. Por fim, Lázaro Lamelas, técnico da ginástica artística do país, também abandonou a Vila Pan-Americana.

PP: Tiraram o gostinho de vitória dos atletas cubanos, com medo que eles resolvessem não voltar para sua maravilhosa ilha! Sacanagem!!! Cuba é muito bom para os intelectuais de esquerda brasileiros, que podem ir visitá-la, ver as maravilhas que são destinadas aos turistas e voltar maravilhado...

sábado, 28 de julho de 2007

Novo culpado?

Agora, o novo suspeito é nada mais, nada menos, que o sistema "fly by wire" do Airbus. Segundo "especialistas" no assunto, o sistema computadorizado não permite que o piloto faça coisas que não estariam registradas no computador ou que seriam consideradas incorretas. Como a história do manche na posição errada não acionar os freios aerodinâmicos. O Pobre Pampa fica estarrecido com um sistema computadorizado que percebe que o avião está no solo a velocidades superiores às normais, e não faz nada????? Acaso este sistema roda windows????

Não é o BORAT

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL78939-5598,00.html

Não deixe de ver este vídeo e ler esta matéria. O economista Josef BARAT, diretor da ANAC, andou passeando em Nova Iorque, palestrando em evento da TAM - e por conta dela. Uma estranha relação entre empresa e fiscal e a ANAC nada vê de problema nisso.

EPA!

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Vamos controlar as ONGs?

Deu no Estadão:

BRASÍLIA - Os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e da Controladoria geral da União, Jorge Hage, disseram que as medidas do governo para restringir o repasse de recursos a ONGs e a Estados e municípios possibilitarão uma economia de R$ 1,5 bilhão.

As medidas, definidas nesta quinta-feira, 26, em decreto publicado no Diário Oficial, especificam procedimentos que devem ser observados para evitar desvio de recursos públicos. A partir de janeiro do próximo ano, fica proibida a assinatura de convênio com Estado e município no valor inferior a R$ 100 mil.

O governo decidiu não impor essa restrição às ONGS, mas passa a exigir que uma organização não governamental só poderá receber verba da União se nenhum de seus dirigentes tiver parente de até segundo grau exercendo cargo no executivo, legislativo e judiciário. A assinatura de convênios só será possível com a apresentação de documentação para comprovar a regularidade dos pagamentos de impostos federais, estaduais e municipais e junto ao FGTS.

Além disso, os convênios com valores acima de R$ 5 milhões passam a ter sua execução acompanhada por meio do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siaf), o que não acontecia. A população poderá acompanhar a execução de todos os convênios por meio do portal, que será criado pelo governo.

As medidas são uma tentativa de evitar o desvio de recursos públicos e foram adotadas após exigência formulada pelo Tribunal de Contas da União e a própria CGU, após a constatação de fraudes com recursos públicos identificadas na Operação Sanguessuga, quando foi denunciado superfaturamento de ambulâncias.

Segundo os ministros, o governo espera imprimir maior grau de eficiência na transferência de recursos públicos a Estados e municípios e ONGs. Eles informaram, ainda, que estão pendentes de análise um total de 92 mil processos montados a partir de contratos firmados com a União, sendo que alguns dos anos 70.

Comentário do Pobre Pampa: onde está grifado na notícia, demonstra que não foi por iniciativa do executivo, mas por exigência do TCU e da CGU! Ou seja, se fosse por ele, tudo continuaria como antes... e de onde, diabos, eles tiraram o valor de 1,5 bilhão???? Já sabiam de quanto era o roubo?

E quero dizer para você...

E quero dizer para você que, certamente, haverá aqueles que irão dizer que o companheiro Waldir está saindo por causa da crise área, por causa da tragédia do avião da TAM. Esse fato, na verdade, permitiu que você tomasse uma decisão de pedir o afastamento.

hehehe! Conta outra, Lula!

quinta-feira, 26 de julho de 2007

Estão "Achando" o culpado

A Zero Hora disse hoje:

Embora a Aeronáutica não revele os rumos da investigação, uma série de indícios lança suspeitas de falha humana na tragédia do vôo 3054 da TAM. O principal deles foi uma recomendação feita pela Airbus às empresas que operam o A320 - o avião acidentado - para que sigam à risca as normas de pouso previstas no manual. Outros se baseiam na análise de acidentes parecidos, nos quais o mesmo modelo de aeronave deslizou para fora da pista ao operar com um reverso defeituoso, como no caso da TAM.

Tanto a recomendação da Airbus quanto relatórios de acidentes anteriores com o A320 giram em torno de um equipamento crucial na cabine de comando dos aviões: os dois manetes, que controlam a potência das turbinas. Pelo menos quatro vezes desde 1998, pilotos que pousavam o A320 com o reverso de uma turbina inativa e um dos manetes fora da posição indicada pelo manual tiveram problemas para controlar a aeronave.

Após uma análise preliminar da caixa-preta do avião da TAM, a Airbus reforçou a recomendação para que, segundos antes do pouso, o piloto coloque ambos os manetes na posição Idle (espécie de ponto morto), puxando depois do pouso os dois para a posição de reverso máximo, mesmo que um dos reversores, por estar travado, não funcione.

O fato de o alerta ter sido feito dias depois do acidente e com base em informações da caixa-preta poderia indicar que o procedimento recomendado não foi seguido pelos tripulantes do A320 da TAM. A fabricante, porém, não confirma.

Ou seja, estão começando a dizer que a culpa foi do comandante do vôo. O Pobre Pampa já tinha falado que quem obrigou a tripulação a voar com um reverso trancado, é o responsável pela tragédia. Agora, se havia um procedimento especial para ser usado com este reverso travado, isto deveria ter sido muito explícito para a tripulação! A culpa, a ser dividida irmamente, está com a companhia picareta e com a infraero não menos sacana. Ou não vamos acreditar no que disse o novo ministro? Falta de comando! E o Pobre Pampa acrescenta: Falta de vergonha na cara, excesso de incompetência, picaretagem!!!!

Ao comandante, ao co-piloto e suas famílias, o Pobre Pampa já pede desculpa, como brasileiro, pelo que estão tentando fazer.

quarta-feira, 25 de julho de 2007

Escárnio da TAM

Um passageiro se desentendeu com uma funcionária da TAM e foi retirado de um vôo da companhia, na madrugada de sábado, em Recife. O empresário Rodrigo Meira Zauri, 28 anos, perguntou à comissária de bordo se a aeronave não estava com os freios quebrados.

De acordo com a TAM, o passageiro pediu um fone de ouvido à comissária, que o informou que o equipamento estava quebrado. Em seguida, Zauri perguntou à funcionária se os freios também não estavam em funcionamento.

A empresa disse que o comentário gerou constrangimento entre os demais passageiros e, por isso, o empresário foi retirado do vôo, que seguia de Recife com destino a Belo Horizonte. A TAM informou que o passageiro embarcou em seguida, em outro vôo da companhia. (Redação Terra)

O passageiro e sua esposa foram retirados do avião pela Polícia Federal. O Pobre Pampa acha que o passageiro estava no seu direito de perguntar se os freios (e o reverso) estavam funcionando, já que a TAM não informa isto. Se eu estivesse neste vôo, sairia com ele! Aliás, estou andando de carro ou ônibus, enquanto estas coisas não estiverem bem claras e estas companhias picaretas não estiverem fora do mercado ou sob controle de empresários decentes.

É bom que o público saiba que espécie de companhia está sobre nossas cabeças. Vejam, em detalhes, os acidentes que a TAM se envolveu nos últimos anos, neste site!

Imagem: porta de um Focker 100 da TAM, que desprendeu-se do avião em pleno vôo sobre um supermercado. Cuidado! Você pode ser vítima da TAM sem estar voando com eles!!!

terça-feira, 24 de julho de 2007

Veja o aeroporto de Congonhas...

Lula falando das maravilhosas reformas de Congonhas e outros aeroportos brasileiros. Você poderia agradecer isso...

Só para não esquecer...

Tá rindo do quê?????????????????

Ética, palavra esquecida

O Pobre Pampa bem que queria seguir falando somente nas coisas da Metade Sul do RS, mas as otoridades destepaís não dão folga! Agora, foi a vez do presidente da Infrazero: "Segurança tem que vir em primeiro lugar. Eu não disse que o aeroporto estava inseguro, mas chegou a hora de tomar medidas cautelares e isso pode significar, sim, um aumento de preços para os passageiros, que terão que pagar um pouco mais pela sua segurança". Bem, é interessante ele notar que, finalmente, chegou a hora de se preocupar com aumento de segurança. E quem vai pagar por isso? Claro!

E os deputados da CPI do apagão aéreo que estão em Washington? Fazendo o quê? São especialistas em decodificação de caixas pretas? E deram declarações confusas sobre a tal decodificação, sem que tenham recebido nenhuma informação técnica! São videntes, também! Os ilustres são os deputados Marco Maia do PT e Efraim Filho do DEM. Passaram pelo constrangimento de serem desmentidos pela FAB...

E não é só na política que estepaís está enfrentando problemas éticos. Na seleção do Vôlei, o técnico Bernardinho retirou o melhor jogador e colocou o filho... se o cara mereceu ser retirado, tudo bem. Colocar o filho? Pode ser o melhor jogador do mundo, mas não cai bem. Ou o filho dele é um fenômeno, como o filho do outro, que ficou milhonário da noite para o dia?

domingo, 22 de julho de 2007

Recomendação de leitura

Mauro Paré é psicanalista, consultor, professor e comunicador. Mas é mais que isso, é alguém que conhece profundamente as raízes do negro brasileiro, suas dificuldades, sua arte, sua alma. O livro busca mostrar os caminhos que a psicanálise tem que trilhar para entender a mente dos afro-descententes que são, por verdades históricas e culturais, diferentes dos euro-descendentes.

Mauro Paré é a favor das cotas para negros nas universidades. Neste ponto, o Pobre Pampa diverge dele, mas não dá para negar o peso dos argumentos que ele utiliza, como a resposta a um padre que disse, em um programa de rádio, que se envergonharia de estar entre os cotistas, se fosse negro: "já imaginaram se o MST fosse um movimento de negros? Os integrantes do MST aqui no sul, descendentes de europeus, são aquinhoados com expressivas somas de dinheiro, doadas pelo Governo Federal, para os chamados assentamentos. E não se envergonham. Será que os negros teriam o mesmo tratamento? Vejam, o MST pode receber fortunas. Pode invadir prédios e propriedades... E aqueles que podem pagar universidades particulares para seus filhos e preferem as públicas porque são gratuitas e ainda fazem campanha pela gratuidade? Eles não deveriam se envergonhar?"

Mauro Paré cita a evasão escolar causada - muitas vezes - pelos conteúdos curriculares que diminuem a influência do negro na história, alimentam o racismo e baixam a auto-estima das crianças.

Enfim, um belo livro, com conceitos que nos fazem pensar sobre a nossa sociedade em branco e preto. Há que ter muito cuidado, nestes novos tempos, com o "politicamente correto". É prato cheio para alimentar uma fogueira que estava só nas brasas e precisava de ações que jogassem água, não gasolina.

Sobre a universidade gratuita, o Pobre Pampa tem uma posição final: NÃO É GRATUITA! E nem pode ser, pois custa muito à sociedade. Leia aqui, o que o PP pensa à respeito.

Imagem: capa do livro "Afro-descendente Um olhar psicanalítico"

sábado, 21 de julho de 2007

Mais Cordeiros

A carne de cordeiro é um produto nobre, com alto valor. É só procurá-la em açougues especializados em São Paulo, no Rio de Janeiro e até mesmo em Porto Alegre. O valor ultrapassa 25 reais o quilo, facilmente. Mas o produtor não vê este valor a mais que a carne de cordeiro tem sobre a carne bovina. Aliás, chega a receber valor inferior ao da bovina.

Vamos desenvolver melhor este raciocínio. Cordeiros têm um “prazo de validade”, como suínos e aves, e precisam ser comercializados no momento certo. Sem tecnologia, os partos acumulam-se na mesma época, pois a ovelha tem o cio influenciado pela duração do dia, principalmente nas raças lanares (animais de dias curtos), sendo as coberturas naturais feitas ao final do verão e no outono. Assim, temos uma superprodução de cordeiros no final do ano, mas reduzindo-se drasticamente nas outras épocas. Mercado é coisa séria, quer qualidade e regularidade e ainda não estamos conseguindo isto. O que a tecnologia já tem para reverter este quadro, é a sincronização do cio, através de tratamentos tópicos, com hormônios e boa alimentação.

O que tem acontecido ao longo do tempo com o mercado da carne ovina? Os consumidores, principalmente no centro do País, não conheciam a carne ovina para distinguir cordeiros de animais velhos. Ao entrar com carne de cordeiro, o mercado apreciava e pedia mais. Quando se encerrava a safra de cordeiros, os marchantes gaúchos mandavam capões e ovelhas velhas. Claro que mesmo sem conhecer em detalhes a diferença, os consumidores repudiavam o produto e foi sendo criada uma reação à carne ovina. Atualmente, os exigentes mercados do centro do País já conhecem bem a carne de cordeiro, comprando-a do Uruguai, principalmente.

Bem, já sabemos que a Metade Sul não sabe produzir cordeiros, não recebe o valor adequado quando produz e que o setor está totalmente à mercê dos compradores de carne, estes sim, exploradores dos ovinocultores e não da ovinocultura. Que falta faz um sistema como o de aves e suínos de Santa Catarina, ou como o sistema do fumo em Santa Cruz, para que o produtor seja um parceiro da indústria e não simplesmente um fornecedor esporádico.

Imagem: cordeiros uruguaios (Vet-UY)

O Brasil poderia ter ficado sem ver isto!

O que parece um escárnio com os familiares das vítimas da tragédia da TAM, realmente aconteceu:

BRASÍLIA - Quatro diretores da Agência Nacional Nacional de Aviação Civil (Anac) foram condecoradas nesta sexta-feira, 20, em Brasília, três dias depois do acidente com o avião da TAM em Congonhas, com a medalha do mérito Santos Dummont.

A condecoração, presidida pelo vice, José Alencar, foi na Base Aérea - a medalha é entregue a civis e militares pelos serviços prestados à Aeronáutica. A Anac e seus dirigentes estão entre os alvos das críticas feitas por especialistas, parlamentares e mídia, responsabilizando-os por boa parte do caos aeronáutico por que passa o País.

A agência não conseguiu até agora, por exemplo, impor às companhias aéreas mudanças na malha aeroviária que descongestionem os aeroportos. Entre os condecorados, estão o diretor-presidente da Anac, Milton Zuanazzi, e três outros diretores, Denise Abreu, Leur Lomanto e Josef Barat. Zuanazi foi um dos dirigentes do setor aéreo que perpetrou uma das frases mais infelizes ao tratar dos problemas da aviação civil.

Na avaliação dele, o País não está vivendo nenhuma crise. No final do ano passado, Zuanazi também prometeu que os brasileiros estariam livres de qualquer problema aéreo - passaram, ao contrário, por um caos sem precedentes.

Fonte e imagem: Agência Estado, Zuanazzi, sendo condecorado pelos excelentes serviços prestados à Aeronáutica, três dias após a tragédia...

sexta-feira, 20 de julho de 2007

DOS GESTOS


Eu quando vi isto no you tube não acreditei. Pensei "- Flagraram o Marco Aurélio Garcia e seu assessor de imprensa falando sobre o massacre que o time de futebol deles aplicou no time adversário utilizando o gestual adequado para estas situações e transferiram para uma possível comemoração da noticia que o desastre de Guarulhos era por culpa do avião e não da pista" (eu não uso ponto nem virgulas nos meus pensamentos).
Mas o fato, inacreditavelmente, era real. Marco Aurélio, ele próprio, apresentou agora suas razões para o pornográfico gestual dele e do seu assessor de imprensa Bruno Gaspar. Vejam a justificativa:
"Essas imagens refletem minha indignação frente a uma determinada versão que se quis passar para a opinião pública, que creditava (ou debitava?) ao governo a responsabilidade de um acontecimento dramático. É indignação porque não se trata simplesmente de jogar a responsabilidade nas costas do governo. Trata-se de explorar uma tragédia na qual morreram 200 brasileiros. Então, isto é um sentimento de indignação, é uma reação privada que qualquer pessoa de bom senso teria neste momento"
Boa explicação? Clique aqui para ver as imagens e o sentimento de indignação do Marco Aurélio e do Bruno Gaspar.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

As Ovelhas da Metade Sul

O Rio Grande do Sul já teve um rebanho de mais de 14 milhões de ovinos, praticamente todo ele na Metade Sul do Estado. Em 1990, este número já era menor, mas ainda estava superior a 10 milhões, sendo mais da metade do rebanho nacional. Em 2004 (estatística não é o forte brasileiro), estávamos com 3,8 milhões e apenas 23% do rebanho nacional, praticamente empatado com a Bahia, apesar de ainda ser o maior rebanho entre os estados brasileiros. Neste mesmo período, a produção de lãs gaúcha, despencou de 29 mil toneladas para pouco mais de 10 mil toneladas.

O motivo principal da crise foi a queda do preço internacional da lã a níveis absurdamente baixos. Praticamente, não paga o trabalho da tosquia. No mercado mundial, a lã de baixa qualidade foi sendo substituída por fios sintéticos, mais eficientes e mais (muito mais) baratos. A lã de qualidade superior, produzida na Austrália e Nova Zelândia, ainda tem mercado seguro, mas cada vez mais sofisticado e competitivo. Estamos fora desta, com certeza!

Aí entra a situação da ovinocultura gaúcha, comparando com o restante do Brasil. Aqui, se criava ovelhas para a produção de lã. Portanto, era importante a quantidade de animais adultos na propriedade e não interessava a quantidade de nascimentos, desde que fossem suficientes para manter o rebanho no tamanho desejado. Por isso, os machos eram castrados (capões) e abatidos aos dois anos, depois de produzirem alguma lã. As ovelhas velhas eram substituídas pelas borregas, na medida do necessário. A carne destes animais (ovelhas velhas e capões), normalmente era utilizada para a alimentação dos peões da fazenda e para a venda em açougues da periferia, como carne de baixa qualidade e baixo preço. Ou seja, o nascimento de cordeiros demais, seria um problema para a propriedade...

O abigeato é outro problema na ovinocultura. Animais muito dóceis, principalmente as raças laneiras, são vítimas fáceis para os ladrões. Enquanto se tinha um grande rebanho, isto era visto como um pequeno contratempo na produção. Quando os rebanhos começaram a reduzir-se drasticamente, os abigeatários não quiseram baixar sua própria "produção", e passaram a ser um problema, proporcionalmente, muito maior. Alie-se a isto, o fato de que os abates clandestinos têm a anuência velada de muitas prefeituras, sob a alegação de um problema social, e temos um entrave sério para a produção de carne.

Qual a grande importância que o Pobre Pampa vê na produção de carne ovina para a Metade Sul do Estado? É uma atividade absorvedora de mão de obra; é possível de ser mantida em propriedades de qualquer tamanho; integra-se facilmente com a pecuária de corte e leite; integra-se facilmente com a agricultura; tem mercado; tem tradição. Bem, este último item, tradição, pode ser mais uma dificuldade que uma vantagem, mas é importante de qualquer maneira.

Como foi demonstrado, a Metade Sul do RS não tem vocação para produção de cordeiros, ficando os índices de desmame (quantidade de animais que são desmamados, dividida pela quantidade de matrizes aptas para reprodução) em torno de 50%. Para se ter uma idéia, na produção de cordeiros, este índice precisa estar em torno de 100%, ultrapassando isto em propriedades tecnologicamente de ponta.


Receita do dia, misturando dois importantes produtos da Metade Sul do RS
Filé de Cordeiro Premium Santa Fé ao Molho de Pêssego e Mussarela

Ingredientes:

  • 6 filés de cordeiro Premium Santa Fé
  • 6 fatias de queijo tipo Mussarela
  • 3 colheres sopa de Azeite de Oliva
  • 1/4 xíc. Shoyu
  • 1/4 xíc. suco de limão siciliano
  • 1 pitada de sal

Para o Molho:

  • 6 pêssegos maduros
  • 2 colheres sopa de amido de milho
  • 2 colheres sopa de creme de leite
  • 2 colheres sopa de açúcar
  • 1 xíc. água

Modo de Preparo:

Frite os filés em panela de ferro com azeite. Acrescente o suco de limão, sal e shoyu, dourando dos dois lados.

Para o molho, descasque, pique e liquidifique os pêssegos com o açúcar, amido de milho e água. Leve ao fogo para engrossar. Desligue o fogo e acrescente o creme de leite.

Envolva os filés com o queijo e cubra com o molho quente.

Sirva com arroz.

Fonte: Carne de Cordeiro Premium Santa Fé. Pelotas, RS

quarta-feira, 18 de julho de 2007

ONDE ESTÃO????????????

Onde estão os irresponsáveis que causaram a tragédia em São Paulo? Quem liberou aquela pista sem condições de operação? Porque até agora, passadas quase 15 horas do acidente, a única coisa oficial que foi feita é a decretação de luto oficial?

Enquanto isso, a blogosfera governista está quieta, esperando as explicações oficiais para poder defendê-las. Como nas vaias, quando tentaram culpar a prefeitura do Rio de Janeiro, que teve pouco mais de 500 convites distribuídos, enquanto as patrocinadoras oficiais (empresas federais) tiveram mais de 9.000...

terça-feira, 17 de julho de 2007

Carneiros, Cordeiros, Ovelhas...

Para que os dez leitores do Pobre Pampa acompanhem o raciocínio que vamos apresentar sobre a ovinocultura gaúcha, é preciso fazer algumas definições importantes. Por exemplo, o que é carne ovina? Qual a mais adequada para consumo sem processsamento industrial? Para responder a isto, recorremos à internet e ao site da Equipe de Ovinocultura da FZEA-USP. Segundo estes especialistas, os ovinos podem ser classificados de acordo com a idade, atendendo às seguintes denominações e características da carne:
  • Cordeiro: até sete meses de idade, de ambos os sexos; peso vivo 15 a 25 Kg, carne rosada e lisa;
  • Borrego: entre sete e 15 meses de idade; peso vivo 30 a 45Kg, carne mais vermelha que a do cordeiro;
  • Capão: macho com mais de 15 meses, castrado ainda quando cordeiro; coloração vermelha intensa;
  • Ovelha: fêmea adulta com idade acima de 15 meses; peso vivo acima de 35 Kg, carne vermelha escura;
  • Carneiro: macho adulto, não castrado, com idade superior a dois anos; carne pouco atraente pelo aspecto, consistência e sabor. A carne de ovelhas e carneiros é mais utilizada para o preparo de embutidos.

Por esta classificação, fica óbvia a escolha da carne de cordeiro ou borrego para o uso culinário direto. A restrição que o Pobre Pampa faz a esta classificação, é quanto ao peso e a idade, uma vez que raças definidas como de produção de carne, têm cordeiros que podem chegar a 40kg e continuarem cordeiros e, com até um ano de idade e dois dentes, o animal ainda pode ser considerado um cordeiro.

É bastante comum, em restaurantes do centro do País - principalmente churrascarias - ser oferecida carne de carneiro... mas, claro, é cordeiro. Ninguém em juízo perfeito come carneiro!

Imagem: Matriz Texel com dois cordeiros (é comum partos gemelares nestas raças de carne). foto da Agropecuária São Luíz do Purunã S/A

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Carne de Cordeiro

A carne de cordeiro é uma das melhores opções dos pequenos e médios produtores rurais da Metade Sul do RS. Há uma tradição na produção de ovinos, mas também há a necessidade de uma verdadeira revolução nos meios de produção ou, como diriam alguns economistas, uma quebra de paradigma. O Pobre Pampa sempre detestou estas expressões que pretendem enrolar o leitor, como se o escritor tivesse uma dimensão maior do que realmente tem.

Mas, voltando ao cordeiro, apesar de termos tradição na ovinocultura, não temos esta mesma tradição na produção de cordeiros. É contraditório? Aparentemente, sim. Mas apenas aparentemente. Em um próximo post, vamos tentar esclarecer melhor esta situação. Por enquanto, fiquem com esta belíssima receita.

Ingredientes:

1 paleta (perna dianteira) de cordeiro pesando cerca de 1kg
1 colher de chá de cheiro verde picado
1 dente de alho descascado e picado
1 colher de café de pimentinha vermelha
1 cebola média descascada e picada
1 copo de vinagre de vinho branco
10 folhas de hortelã fresca
½ colher de café de sal
1 copo de vinho branco seco

Modo de Preparar:
Coloque o cordeiro de molho no vinho branco e deixe por 15 minutos. Junte todos os demais ingredientes e faça-os penetrar entre os vãos da paleta para que fique bem temperada. Asse em braseiro médio durante 45 minutos virando de vez em quando para que fique dourado por igual. Sirva com o seguinte: Molho Especial para Carne de Cordeiro – ½ xícara de chá de vinagre de vinho tinto; ½ maço de cheiro verde picado; 1 maço de hortelã fresca, picada; 5 gotas de Tabasco (pimenta); ½ xícara de chá de vinho branco seco; 1 cebola média descascada e ralada. Misture bem todos os ingredientes e o molho estará pronto para servir.

Receita integrante do cardápio da Churrascaria Boizão Grill, em São Paulo
Imagem e receita:
http://www.manualdochurrasco.com.br

domingo, 15 de julho de 2007

De vaias e aplausos

Assim como os blogs da esquerda e a versão oficial das mancadas e vaias no Maracanã, o Pobre Pampa também demorou a chegar a uma conclusão do que pode ter acontecido por lá:


1. Durante o ensaio, ocorreram as mesmas vaias que durante a cerimônia oficial. A esquerda fala em armação. Essa é difícil de engolir, pois não devem ter sido as mesmas pessoas que estiveram no ensaio e na cerimônia. Ou eram? E a assessoria do presidente falhou feio, pois deveriam ter avisado que havia algum risco de vaias.

2. As vaias iniciaram quando o nome dele foi citado e quando a imagem aparecia no telão. Então, foi espontânea. O Pobre Pampa não tem nem idéia de como foi feita a seleção de quem poderia estar lá na cerimônia. Mas ouviu dizer que era classe média branca...

3. As desculpas oficiais demoraram demais e ficou a impressão que o presidente realmente disse que não iria falar, mas arrependeu-se imediatamente após, tendo ficado com aquele ar de perdidão.

4. Mas o principal, segundo a avaliação do Pobre Pampa, é que a delegação cubana foi recebida de pé e a americana vaiada. Quem estava no Maracanã, afinal? A classe média branca? Estas elites surpreendem sempre. A propósito, houve a primeira deserção na delegação cubana. Um jovem atleta resolveu não voltar para sua maravilhosa ilha.

Imagem: Lula, clicado por Ricardo Moraes, AP, Banco de Dados/ZH - 13/07/2007. Essa foto ficou genial!!!

terça-feira, 10 de julho de 2007

Vacas, onde estão vocês?

Não dá para repetir o que está no laudo da Polícia Federal sobre as auditorias realizadas nas notas fiscais da venda de gado do senador Renan. Mas as inconsistências são muitas. Demais! As GTAs (Guias de Trânsito de Animais) não batem com as notas fiscais apresentadas (quadro acima), pois diferem em quantidade, valor e origem do gado. A emissão de GTA não significa venda de gado, mas sim a movimentação dele. E pode ser de uma propriedade para outra, do próprio dono. Sobre as notas fiscais apresentadas, pairam dúvidas quanto à autenticidade, muitas rasuras, falta de registros e outros problemas. A PF não teve tempo de verificar se os compradores teriam, à época da emissão destas notas fiscais, recursos financeiros compatíveis para realizar a compra.

Ou seja, tem muita fumaça neste negócio. É bem provável, portanto, que haja muito fogo, também...

O relatório está na íntegra, em formato pdf, no site da Folha de São Paulo.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Quando o Público deixa de ser Público?

O Pobre Pampa leu, no site do Sindicato dos Bancários, nota sobre uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das empresas públicas. Claro que o alvo é a venda de ações do Banrisul: "Dirigentes do SindBancários e da FEEB-RS farão plantão a partir das 10h, em frente ao acesso à agência. A PEC deve começar a tramitar na Assembléia Legislativa esta semana. A Frente Parlamentar em Defesa do Banrisul obteve as 19 assinaturas para protocolar a proposta. Com as adesões da população, as entidades sindicais querem mostrar ao governo Yeda que a sociedade defende o Banrisul público e forte".

O Pobre Pampa não acredita que a sociedade tenha assim, tanta vontade de que o Banrisul seja público. Afinal, é um banco comercial como qualquer outro que se encontra em qualquer esquina. E tem, ainda por cima, clientes "cativos", pois todo funcionário público por ali recebe. Mas algum destes funcionários tem um cheque especial mais barato que na concorrência? Tem juros mais baixos para comprar sua casa? Ou seu carro? Ou, pelo menos, tem tarifas mais baixas? A resposta é, infelizmente não, pois sendo um banco comercial, age como qualquer banco comercial.

Então, para que serve ser público? Talvez para manter agências bancárias em pontos onde bancos comerciais não tenham interesse, mas a CEF está em qualquer casa lotérica... Talvez o que estejamos presenciando, é simplesmente um esforço corporativista de manutenção de cargos e salários. Talvez não, mas o que está proposto, pelo Governo do Estado, é simplesmente a venda de ações, mantendo o Estado como acionista majoritário. Como é o Banco do Brasil, por exemplo. Então, não deixaria de ser público! O que estaria por trás desta manipulação da população? Engessar o caixa do Estado para que continue nesta penúria? E será que a população que assina esta petição, sabe o que está assinando? E seria representativa esta parcela da população? É algo para se pensar muito...

Imagem: ação do Banco Pelotense, que não era público e foi fechado pelo Governo Getúlio Vargas, mesmo sendo um banco capitalizado, em uma ação até hoje sem boas explicações. Sua sede em Pelotas tem, atualmente, instalada a agência central do Banrisul. Particularmente, o Pobre Pampa preferia ver o Banco Pelotense por ali. Privado e forte!

domingo, 8 de julho de 2007

ONGS e Oscips - Ralo e Rolo...

Ano passado, o Governo Federal destinou três bilhões de reais (R$ 3.000.000.000,00!!!!) para convênios com ongs e oscips, para as mais diversas finalidades, muitas delas meritórias. Mas, segundo notícia do Estadão, técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Controladoria Geral da União (CGU) calculam que metade desta grana tomou rumo incerto e não sabido. Ou melhor, bem sabido!

Segundo a reportagem, este esquema ficou bem claro para o Ministério do Planejamento, quando explodiu a "Operação Sanguessuga", que envolvia prefeitos, parlamentares, empresários e governadores. Alguns deputados foram cassados, outros renunciaram e alguns empresários pararam na cadeia. Perguntar não ofende: Algum prefeito está respondendo processo sobre isso?

A fábrica de dinheiro é imensa: em 2002, o Brasil tinha 22.000 ongs. Em 2006, este número já chegou a 260.000 e atualmente está batendo nos 300.000. E são 12 os fiscais responsáveis por fiscalizar esta verdadeira enxurrada de ongs. Parece que em todos os escândalos recentes destepaís, tem uma ong escondida, pois é muito fácil pegar o dinheiro e sumir com ele, através de relatórios fajutos e recibos frios. E vem aí mais uma CPI...

sexta-feira, 6 de julho de 2007

FORA senado III

Paulo Paim, senador pelo Rio Grande do Sul, é um dos adeptos da teoria de acabar com o senado federal. Já foi mais, antes de ser senador, mas não contraria a idéia, atualmente. Contudo, disse na ZH de hoje, que a solução seria mudar o sistema de elaboração do orçamento da União. "É ali que entra a corrupção. Todos os escândalos, como o mensalão, passam pelo orçamento". Paim parece acreditar que todos os políticos são corruptos, é só dar oportunidade a eles... E, enquanto isso, Renan Vacalheiros está firme na sua defesa. Os senadores vão investigar o crescimento de seu patrimônio. Afinal, se o cara é senador em tempo integral, como pode ser, também - e só depois que virou senador, um empresário de tanto sucesso? Aliás, isto seria bem interessante: analisar a evolução patrimonial (ou os sinais exteriores de riqueza) de todos os políticos brasileiros ou, pelo menos, os que alcançam os maiores cargos. O que acham disso?

Imagem: Clarabela (Carolyn Cow), de Walt Disney. Uma vaca pra lá de conservadora, pertencente à uma entidade chamada Preservação da Moral de Patópolis. Certamente, ficaria horrorizada com o que seus parentes estão aprontando na propriedade do senador.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

FORA senado II

Um novo evento mostra a necessidade de retirar o senado federal das instituições representativas destepaís. A esperada renúncia de Roriz traz à tona, o pior da nossa vida pública: a absolvição integral do acusado. Que, mais que nunca, mostra-se culpado. Com a renúncia, cessam todas as acusações dentro do senado e ele pode voltar tranquilamente à vida pública. Mas ele quer mais! Quer que os suplentes renunciem também, para que se faça imediatamente uma nova eleição para a vaga de senador por Brasília. E ainda dizem que é uma instituição séria...

Outro ponto importante a ser discutido, é a existência dos suplentes. Normalmente figuras sem expressão política, que podem chegar ao senado federal, sem apoio popular, pois a votação foi no titular (praticamente nenhum eleitor sabe quem é o suplente de seu candidato). O suplente deveria ser, por lógica eleitoral, o segundo colocado. Mas esta é a regra... Aliás, segundo a Folha de São Paulo, o primeiro suplente (sim! são dois!!!) Gim Argello (PTB-DF), é acusado de causar um prejuízo de R$ 1,7 milhão à Câmara Legislativa do Distrito Federal (ele foi deputado distrital, outra bobagem do sistema político brasileiro), além de responder a denúncias de que teria recebido propina. Saiba mais, lendo a Folha.

Sobre o presidente do senado federal, a Folha também tem uma matéria interessante. Ao final da mesma, há uma declaração do senador: "Dizem que os documentos de quem adquiriu o gado não estão corretos. O que eu tenho a ver com isso? Eu apresentei provas, paguei, os documentos foram autenticados e atestados de que são verdadeiros". Está entre aspas, portanto, deve ser literal. Repararam o ato falho? Ele VENDEU o gado e diz: "apresentei provas, PAGUEI..." EPA! Pagou o que???

Por tudo isso, continuamos com nossa campanha FORA senado!

Até o próximo escândalo.

Imagem: Roriz, clicado por Lula Marques/Folha Imagem, rezando na Catedral de Brasília. Pode???

terça-feira, 3 de julho de 2007

FORA senado!

O Pobre Pampa pensou em entrar na campanha "Fora Renan", mas julgou que estaria sendo injusto com os demais senadores. Afinal, se queremos todos os corruptos fora do senado federal, sobrariam bem poucos e talvez alguns estados ficassem sem representação... Assim, o Pobre Pampa lança uma campanha mais abrangente, nuncaantesfeitanestepais: FORA senado!

Afinal, porque termos um sistema bicameral? Aprendi, nos bancos escolares, que a Câmara dos Deputados representaria o povo e o senado federal, os estados. Eram dois senadores por estado, naquela época, e a composição da Câmara era proporcional aos habitantes de cada estado. Nada mais justo, portanto.

Mas, cruel herança dos anos de chumbo, a proporcionalidade da Câmara foi alterada para permitir a prorrogação "democrática" da gloriosa revolução de 64, também conhecida como "Redentora", e aumentamos o número de senadores para três por estado, sendo um deles escolhido pelo Governo Federal. Acreditem, jovens, o terceiro senador era chamado de "biônico", alusão a um personagem de um seriado de TV. Pois bem, com a "redemocratização" do País, elegemos uma Assembléia Nacional Constituinte que deveria fazer a correção de todos os erros implantados em nossa Constituição pela Redentora. Mas, infelizmente, isto não foi feito e permanecemos com as distorções em nosso Congresso. Para ajustá-la, precisaríamos de outra Constituinte, mas os políticos eleitos para isto, provavelmente repetiriam a fórmula...

Assim, o PP lança esta campanha, já fadada ao insucesso, de arrancar o senado federal das nossas frágeis instituições políticas e restabelecer um pouco da proporcionalidade e da decência no cenário político destepais.

Imagem: do site do senado, mostrando um dia normal de trabalho...

domingo, 1 de julho de 2007

Ensino Superior (será mesmo?)

Interessante trabalho da Academia Brasileira de Ciências relata grandes problemas do ensino superior brasileiro. Com a mudança de enfoque – o sistema de cotas – praticamente ninguém discute a qualidade do ensino, sua formatação e o investimento do Estado.

Apenas para exemplificar, o Pobre Pampa separou alguns dos itens marcados pela ABC, embora recomende a leitura de todo o trabalho, pois vale a pena.

A EDUCAÇÃO SUPERIOR NÃO SE RESTRINGE AO ENSINO UNIVERSITÁRIO – A ABC recomenda que cursos profissionalizantes, com duração de até dois anos, sejam também incluídos na discussão;

RECURSOS DO ORÇAMENTO – Segundo a ABC, o Brasil investe apenas 4% do PIB na educação, enquanto outros países atingem 6%, sendo 21% deste, destinado ao ensino superior, (Nota do PP: outros autores alegam que mais de 70% do orçamento público federal fica com as universidades, que congregam um universo de somente 2% do público estudante).

A DISTRIBUIÇÃO DE MATRÍCULAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO PRECISA SER CORRIGIDA - Este é um tópico muito interessante, pois demonstra que não há um real interesse no desenvolvimento do País e da sociedade brasileira como um todo, mas apenas a criação de cursos superiores: 69% das matrículas em instituições de ensino superior no Brasil situam-se em ciências humanas e sociais, apenas 13% em ciências da saúde, 11% em engenharias e ciências tecnológicas, 4% em ciências exatas, 2% em ciências agrárias, e 1% em outras áreas. Não que cursos em ciências humanas não sejam necessários, mas é óbvio que proliferam por precisarem de menor investimento para sua implantação.

A INCLUSÃO SOCIAL E A DIVERSIDADE DEVEM SER INCENTIVADAS SEM PREJUÍZO DA QUALIDADE. A melhor maneira de favorecer a inclusão social por meio de iniciativas ao alcance de instituições de educação superior é o incentivo a cursos noturnos e a atividades de reforço da educação em nível médio para comunidades carentes, a diversificação de instituições públicas de educação superior e a intensificação da formação de professores para o ensino público fundamental e médio. Deve-se considerar também que, sem um reforço substancial do ensino público de nível médio, não será possível atingir o objetivo de expansão com qualidade da educação superior no Brasil.

CONCLUSÕES DO POBRE PAMPA

A quantidade de universidades e cursos não é garantia de desenvolvimento. Isto, já aprendemos aqui na Metade Sul. Das cinco universidades federais do RS, quatro estão na Metade Sul, o que não têm garantido o desenvolvimento local. Ao mesmo tempo, Pelotas conta com um ensino secundário municipal de qualidade superior à media estadual. Para se ter uma idéia, o número de professores municipais pelotenses é superior, em número absoluto, ao de Porto Alegre.

Ao incentivar a criação do sistema de cotas, o Governo Federal desvia a atenção dos problemas que a educação enfrenta no Brasil. Agora, garantindo a presença de alunos oriundos do ensino médio público nas universidades federais, parece não ser mais necessária nenhuma melhoria no ensino médio.

O Pobre Pampa é contra as cotas de qualquer tipo. O Pobre Pampa é contra o ensino gratuito nas universidades públicas ou particulares. A sociedade brasileira não pode arcar com estes custos. Como, então, facilitar o acesso dos pobres e, ao mesmo tempo, conseguir recursos importantes para a sociedade?

Simples! Cada aluno, ao se formar em uma universidade pública, fica devedor da sociedade. Pagará os custos de sua formação de duas maneiras possíveis: Ou sustenta outro aluno de igual curso e igual duração, pagando mensalmente o valor estabelecido deste custo ou presta serviços à comunidade – dentro da especialidade cursada – em função remunerada e temporária. Com isto, estará feita a justiça social: os ricos pagarão para estudar ou prestarão serviços comunitários (mais provavelmente, iriam para as universidades particulares). Os pobres e os da classe média poderão ter a oportunidade de ter seus estudos custeados pela sociedade, ao mesmo tempo em que darão uma importante contribuição à mesma. Quem tem filhos egressos de faculdades, sabe que não basta um diploma para entrar no mercado de trabalho. Com este sistema, o aluno terá um início de carreira garantido pelo Estado, o que é tão ou mais importante que o diploma.

Aliás, o ensino superior está tendo um desproporcional foco na discussão sobre a educação brasileira (lembrem-se: 2% do público estudante, 75% do orçamento). E os governos estão criando barreiras para as carreiras tradicionalmente de ensino médio, retirando, desta maneira, a possibilidade dos menos favorecidos economicamente, de entrar no serviço público! Concursos que não necessitavam curso superior, já o estão exigindo! QUALQUER curso superior! Qual a intenção?

Imagem: Albert Einstein em um momento de descontração. Ao entrar nos EUA como imigrante, precisou fazer constar a raça no documento. Sua resposta: human race...